quinta-feira, 19 de maio de 2011

Para a mídia, só vale política suja e autorizada

A mídia está em plena campanha política. O alvo é Palocci. A situação do ministro petista pode até não ser ilegal, mas é imoral. O PT presta mais um serviço à direita. E ainda procura justificar apontando o dedo para a gangue tucana. Tenta trocar um erro pelo outro.

Recentemente, a Câmara Municipal carioca desistiu de comprar automóveis para seus vereadores. Cada um deles custaria 70 mil. Alega-se que a suspensão da compra foi resultado de pressão popular. Menos. Foi muito mais uma campanha da própria imprensa. Os casos de Palocci e dos automóveis oficiais são tudo o que a grande mídia quer.

O partido da grande imprensa gosta de mostrar a política como atividade nojenta. Isso é até verdade em relação à política institucional. O problema é que o nojo popular volta-se contra todo tipo de atividade política. Aí, a imprensa empresarial aproveita para posar de representante da vontade popular. Só não admite que seus interesses estão representados por uma enorme bancada de parlamentares e governantes.

Enquanto isso, os jornais dão pouca atenção a recentes acontecimentos em Caetité, na Bahia. Um protesto de moradores impediu a entrada de uma carga de urânio na cidade. Eram 90 toneladas do minério. Caetité vem sofrendo com radiação causada por mineração de urânio em seu território. A população resolveu reagir.

A carga foi desviada para Guanambi, que fica ao lado. Também foi barrada pela população local.

Para a grande mídia, não interessa divulgar esse tipo de iniciativa. Não foi emporcalhada pelos partidos domesticados e pelas instituições oficiais. É política não autorizada. Feita de baixo para cima. Não serve.

Leia também: Patrões seqüestram opinião de jornalistas

2 comentários:

  1. Boa tarde, no blog não tem um daqueles links para compartilhar nas redes sociais?
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Não tem, Leonardo. Como é que se faz isso?
    Abraço!

    ResponderExcluir