quarta-feira, 7 de março de 2012

Na China, o comunismo pirateado

O Congresso Nacional do Povo está reunido em Pequim. Trata-se do órgão dirigente máximo da China. O detalhe é que entre seus 3 mil membros há 70 multimilionários. Segundo o jornal Valor de 04/03, estes verdadeiros magnatas:
...aumentaram mais suas fortunas no ano passado do que o total combinado dos bens de todos os 535 membros do Congresso dos Estados Unidos, do presidente Barack Obama e seu gabinete e dos nove juízes da Suprema Corte americana.
Mas esta não é maior das contradições a envolver o “gigante asiático”. Durante a sessão de abertura do congresso, o premiê Wen Jiabao anunciou uma desaceleração econômica para 2012. A previsão é de queda da expansão em 1%. Foi o bastante para derrubar bolsas de valores pelo mundo.

O pânico é justificável. A China é atual o parque industrial do planeta. É lá que está a maior classe operária de todos os tempos. Cerca de 200 milhões de homens e mulheres. Todos e todas devidamente explorados e superexplorados. A maior parte dos lucros que geram fica com uma minúscula parte dos chineses e com os maiores grupos empresariais globais.

Isso tudo mostra pelo menos três coisas. Primeiro, a exploração da classe operária nunca deixou de ser necessária e central para o sistema. Segundo, tamanha concentração de operários tem um potencial explosivo tremendo. Terceiro, a China só pode ser considerada comunista, se for em uma versão pirateada daquelas bem ordinárias.

Leia também: A crise mundial e a síndrome da China

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Acompanho seus textos há um ano, acho que são muito bem embasados ao contrário até que muito jornalista publica. Em relação ao conteúdo deste texto, também me faz refletir sobre esta China comunista-capitalista, estamos vivendo o auge capitalista com forte influência na China. As parcerias entre Brasil e China me assusta muito, principalmente no que diz respeito a exploração de mão de obra humana.

    Abraços e parabéns!
    Celso Lima
    Taboão da Serra/SP

    ResponderExcluir
  3. Realmente, preocupante. Obrigado pelo apoio, Celsão

    ResponderExcluir