10 de julho de 2018

Karl Marx era satanista?

A pergunta acima está no título de um livro publicado em 1976 por um evangelista americano, o reverendo Richard Wurmbrand.

A informação consta da divertida biografia de Marx escrita por Francis Wheen, que também cita um trecho da “obra”:

Já que uma seita satanista é altamente secreta, nós só podemos contar com algumas pistas sobre possíveis conexões entre uma delas e Marx. Quais seriam elas? Bem, quando era estudante, Marx escreveu uma peça de teatro cujo título, “Oulanem”, é mais ou menos um anagrama de Emanuel, o nome bíblico de Jesus - e, portanto, nos lembra das inversões típicas de uma missa negra satanista.

Outra dessas pistas seria o “penteado” de Marx. Segundo o tal reverendo algumas características ligadas à aparência dele eram típicas dos discípulos de Joanna Southcott, uma sacerdotisa satânica que manteria contato com o demônio Shiloh. Mais especificamente, o cabelo grande e cheio, assim como a barba espessa.

Na verdade, diz Wheen, na Inglaterra da época de Marx não faltavam cavalheiros com características “capilares” semelhantes. Do famoso jogador de críquete W.G. Grace ao renomado político Lord Salisbury. “Será que eles também andavam conversando com o demônio Shiloh?”, pergunta o biógrafo.

Se depender dessas “pistas” para ser confirmada, a hipótese realmente não faz nenhum sentido. Mas há outras mais promissoras, ignoradas por Wurmbrand.

Entre elas, a opinião do pai de Marx, para quem o filho tinha um “espírito demoníaco”. Ou um poema em que Engels acusava o parceiro de, muitas vezes, se comportar como “se dez mil demônios o agarrassem pelos cabelos...”.

Mas, afinal, por que não considerar também o conjunto da obra?

Leia também:

5 comentários:

  1. Ri muito já com o título e com a imagem. Depois de ler o texto mais ainda. Tudo muito divertido mas nada desprezível pensar como a religião de construção intelectual mais retrógrada, reacionária e simplista consegue construir demônios em defesa dos seus interesses, vendendo imagens e ideias.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Bruno, removi seu comentário sem querer. Mas consegui recuperar: "Nossa senhora", o detrator foi longe nessa hahaha
    Como se tivesse sido fácil para Marx trocar uma crença metafísica "do bem" por outra "do mal"!

    abraço
    Bruno

    Minha resposta: "Você tá exigindo demais das faculdades mentais do tal reverendo, rs"

    ResponderExcluir