quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Tudo o que é sólido termina em exploração

“Capitalismo sem capital” é o nome de um recente livro publicado pelos britânicos Jonathan Haskel e Stian Westlake. Ainda sem edição no Brasil, a obra foi comentada por John Harris, em artigo reproduzido pelo portal IHU-Online.

Harris cita a famosa frase “Tudo o que é sólido desmancha no ar” para explicar o fenômeno que dá nome ao livro. Segundo ele, a nova economia dos aplicativos seria a melhor demonstração daquela passagem do Manifesto Comunista.

Afinal, a Airbnb não tem imóveis, o Alibaba não tem estoque e a Uber não tem automóveis, diz o artigo. Seriam exemplos perfeitos de capitalismo sem capital. Da crescente economia de bens intangíveis.

Mas, se realmente Haskel e Westlake utilizam como referência Marx e Engels, não entenderam nada de sua obra.

Primeiro, quando o Manifesto afirma que tudo que é sólido desmancha no ar, está se referindo à consolidação do capitalismo, não a seu desaparecimento. Airbnb, Alibaba e Uber são radicalizações dessa tendência, não sua negação.

Em segundo lugar, em “O Capital”, Marx deixou claro: “O capital não é uma coisa, mas uma relação social”.

A mercadoria mais valiosa na produção capitalista é a força-de-trabalho. Integrada à massa de forças-de-trabalho do conjunto dos trabalhadores, ela torna-se o mais intangível dos bens.

É exatamente esta intangibilidade da força-de-trabalho que permite esconder sua exploração como fundamento maior da sociedade atual.

Na verdade, a única coisa realmente sólida no capitalismo tem sido a exploração de uma maioria que só aumenta por uma minoria cada vez menor.

Mas Harris tem razão numa coisa. A atual fase do capitalismo “provavelmente disseminará incerteza e agitação como nunca”.

Leia também: Marx e Engels 4.0

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Estatísticas, luta de classes, disputa de hegemonia

Estatísticas não costumam ser muito úteis para os que travam a luta de classes do lado dos explorados e oprimidos.

Afinal, a ideia de “assunto de estado” faz parte das origens da palavra “estatística”. Sua função principal sempre foi a de fornecer dados para aperfeiçoar o controle dos que dominam.

Já para os que acreditam na transformação social a partir de baixo, a melhor “estatística” seria a que resulta da convivência com os setores dominados.

Mas, mesmo com essas ressalvas, é importante atentar para os dados da pesquisa “Nós e as desigualdades. Percepções sobre desigualdades no Brasil”, realizada recentemente pela Oxfam e o Datafolha.

Algumas delas assustam mesmo os mais atentos. Para ter uma ideia de nossa desigualdade social, uma pessoa que recebe três salários mínimos mensais já pode ser incluída no grupo dos 10% mais ricos.

No entanto, o levantamento descobriu que quase metade da população, acredita que para acessar aquele restrito grupo dos 10% mais ricos, seria necessário receber R$ 20 mil mensais, ou mais de 20 salários mínimos.

E aí entra a disputa de hegemonia. Até existe uma percepção geral sobre a desigualdade social brasileira. Mas ela é insuficiente por parte dos que mais sofrem com ela.

Por outro lado, há dados positivos em relação a outros problemas. É o caso da compreensão majoritária de que os ricos pagam pouco imposto no Brasil. A maioria também entende que negros e mulheres recebem salários menores por serem discriminados.

Por essas e outras, e para pensarmos em termos de disputa hegemônica, clique aqui e leia entrevista com Rafael Georges, coordenador do levantamento.

Leia também: Estatísticas pouco úteis para a luta de classes

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Marx e o espaço anulado pelo tempo

A sensação de que a passagem do tempo vem se acelerando nas últimas décadas parece inegável. Há vários estudos em torno do fenômeno. No Brasil, por exemplo, há um laboratório dedicado a ele na Universidade Federal do ABC.

Mas uma das explicações possíveis poderia ser deduzida de uma necessidade econômica fundamental para o capital. É a aceleração de tempo de circulação das mercadorias para a realização dos lucros provenientes de sua comercialização.

“Grundrisse” é o nome pelo qual são conhecidos alguns manuscritos de Marx concluídos em 1858, na condição de rascunhos de “O Capital”. E se este já é de leitura complexa, imagine seu esboço. Mas segue uma citação interessante:

Enquanto o capital deve por um lado, esforçar-se por derrubar todas as barreiras espaciais para realizar o intercâmbio (isto é, a troca), e conquistar todo o mundo como seu mercado, esforça-se, por outro lado, em anular o espaço pelo tempo, isto é, reduzir a um mínimo o tempo despendido no movimento de um lugar ao outro. Portanto, quanto mais desenvolvido o capital, mais extenso o mercado pelo qual ele circula, (...) a órbita espacial de sua circulação, mais ele se esforça simultaneamente em direção a uma ainda maior ampliação do mercado e a uma maior anulação do espaço pelo tempo.

Olhemos agora para a onipresença das redes virtuais na vida atual, alimentando o consumismo e radicalizando a transformação de informações, dados e notícias em elementos imediatamente remuneráveis. Faz muito sentido, certo?

Mas para a maioria de nós, o tempo que falta para perceber isso também tira o espaço para nos livrarmos disso.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Vida longa e próspera, rumo ao colapso?

"Nunca na história da humanidade houve uma redução tão grande da pobreza”, diz o artigo de José Eustáquio Diniz Alves, professor Escola Nacional de Ciências Estatísticas, do IBGE, publicado na EcoDebate, em 27/11.

Alguns números: “a extrema pobreza caiu de 94% do total populacional, em 1820, para 10% em 2015”. “Fato extraordinário”, diz o autor, com razão.

Mais dados extraordinários: “A esperança de vida ao nascer da população mundial estava abaixo de 30 anos no século XIX, chegou a 34,1 anos em 1913 e saltou para 71,4 anos em 2015”.

Mas, claro, as desigualdades não só continuam como aumentaram:

No século XIX, a esperança de vida ao nascer na África estava em torno de 26 anos e da Europa em 35 anos. Em 2015, a esperança de vida ao nascer da África passou para 60 anos e da Europa chegou a 80,6 anos.

Além disso:

Enquanto as populações humanas, umas bem mais do que as outras, tiveram inquestionáveis ganhos, o meio ambiente só teve perdas e danos. Houve degradação dos solos, acidificação dos oceanos, perda de biodiversidade, aumento da emissão de gases de efeito estufa e eutrofização, que é o processo através do qual um corpo de água adquire níveis altos de nutrientes (fosfatos e nitratos), provocando o acúmulo de matéria orgânica em decomposição. O sucesso humano está ocorrendo paralelamente à 6ª extinção em massa das espécies e à aniquilação biológica.

Daí, o autor concluir:

Se o rumo do desenvolvimento da economia internacional não for alterado, o colapso ambiental pode trazer grande sofrimento para a humanidade, reverter conquistas recentes e gerar um colapso civilizacional.

Pois é...

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

A revolução como catástrofe redentora

O  site Taxmax publicou ”Catástrofes ou uma desigualdade colossal. Faça a sua escolha”, de James C. Scott. O artigo comenta o recém-lançado livro “The Great Leveller”, de Walter Scheidel.

Trata-se de mais um estudo a mostrar que diminuições significativas das desigualdades sociais só ocorrem como consequência de catástrofes. Mas, até agora, isso parecia valer apenas para o capitalismo, com suas inéditas guerras mundiais.

Já o levantamento de Scheidel, teria concluído que o crescimento da desigualdade remonta ao nascimento da agricultura e, portanto, “da propriedade fundiária”, diz o artigo.

Os momentos de maior nivelamento social não seriam resultado de políticas de redistribuição de riqueza e oportunidades, mas “consequência de desastres sociais e econômicos imprevistos”.

Além disso, junto com a propriedade da terra, a formação de estados seria outro elemento “original dessa dinâmica”. Desse modo, o “colapso do estado” seria mais um desses eventos catastróficos de equalização social.

Segundo Scott, o autor também afirma que:    

As “revoluções transformadoras” são o único tipo de evento de nivelamento em que a ação humana deliberada é, pelo menos em princípio, envolvida na tentativa de aumentar a igualdade econômica, mas, mesmo aqui, Scheidel insiste que é apenas e especificamente a violência envolvida em tais revoluções que causa o nivelamento.

O estudo parece confirmar o que Engels concluiu em “A Origem da Família da Propriedade Privada e do Estado”, de 1884. Com uma diferença importante.

Para os marxistas (e anarquistas), o fim do Estado pela ação humana deliberada, ou seja, mediante “revoluções transformadoras”, longe de ser uma “catástrofe”, poderia finalmente colocar fim à calamidade da injustiça social, que castiga a humanidade há milênios.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Sob o capitalismo, bullying é sinônimo de adaptação


O capitalismo é bullying; é competição – vencedores e perdedores. A desigualdade social está no cerne do capitalismo. Os fracos merecem seu destino. Qualquer um que seja intimidado fez por merecer. Os pobres não têm resistência nem correm atrás. Eles devem se submeter ao poder daqueles que tem a força para construir indústrias, fortunas e impérios. Os fortes foram feitos para dominar os fracos. Para que a economia cresça, 1% deve ser livre para intimidar os outros 99%.

As palavras acima são de Charles Deber e Yale Magrass, autores do livro “Como o Establishment norte-americano cria uma sociedade de Bullying”, ainda sem edição em português. Eles deram uma entrevista publicada pelo portal “Outras Palavras” em 03/12.

Para os autores, bullying não é exceção:

Quando as crianças ou os adultos fazem bullying, eles estão reagindo às normas ou incentivos de suas empresas e de sua sociedade militarizada. Eles não estão “doentes” ou perturbados nem são “antissociais”; na verdade, estão bem adaptados ao sistema e não precisam de terapia para se ajustar ainda mais.

Deber e Magrass também citam Marx. Segundo eles, o revolucionário alemão “construiu toda sua teoria da exploração capitalista como uma relação de bullying entre a classe capitalista e a classe trabalhadora”. Trata-se do “bullying do capital”, afirmam. Conceito inspirado em “O Capital”.  

Difícil discordar da tese. A não ser quando eles dizem que a “melhor maneira de reduzir o bullying é mudar nossa sociedade”, nos “encaminhando a um sistema menos capitalista”.

Menos bullying, é importante. Mas menos capitalismo, não basta. Se não o eliminarmos, ele nos elimina. E na base de muito abuso e porrada.

Leia também: Da crueldade infantil à brutalidade penal

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Rosa Luxemburgo e a sabedoria da toupeira parlamentar

Em seu artigo “A Revolução Russa”, Rosa Luxemburgo faz críticas firmes, ainda que fraternas, a algumas das primeiras medidas tomadas pelo governo bolchevique.

Mas outro alvo importante do texto são as direções do Partido Comunista alemão. Elas não apenas deixaram de fazer a revolução em seu país como condenaram a Revolução Russa por sua “imaturidade”. Para esses reformistas, era preciso esperar, primeiro, a conquista da maioria do povo para, depois, tomar o poder.

A isto, Rosa responde:

Os bolcheviques resolveram assim a célebre questão da “maioria do povo”, pesadelo que sempre oprimiu os socialdemocratas alemães. Pupilos incorrigíveis do cretinismo parlamentar simplesmente transpõem para a revolução a sabedoria caseira do jardim de infância parlamentar: para fazer alguma coisa, é preciso ter antes a maioria. Portanto, o mesmo para a revolução: conquistemos primeiro a “maioria”. Mas a dialética real das revoluções inverte esta sabedoria de toupeira parlamentar: o caminho não conduz da maioria à tática revolucionária, ele leva à maioria pela tática revolucionária. Apenas um partido que saiba dirigir, isto é, fazer avançar, ganha seus seguidores na tempestade. A resolução com que Lênin e seus companheiros lançaram no momento decisivo a única palavra de ordem mobilizadora – todo o poder ao proletariado e campesinato – fez, praticamente de um dia para o outro, de uma minoria perseguida, caluniada, “ilegal”, cujos dirigentes (...) precisavam esconder-se nos porões, a dona absoluta da situação.

Não se trata de acreditar na clarividência de vanguardas. A “resolução de Lênin e seus companheiros” estava ancorada em muitos anos de forte trabalho de base junto a trabalhadores e população pobre.

Não é receita, mas fica a dica.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Estatísticas pouco úteis para a luta de classes

No editorial “Quem é a elite”, de 30/11, a Folha argumenta:

Um brasileiro com salário de R$ 27 mil mensais possivelmente se considera de classe média, ou média alta.

(...)

Entretanto esse funcionário frequenta, talvez sem o saber, uma comunidade minúscula e privilegiada no topo da pirâmide social brasileira. Conforme os dados divulgados nesta quarta-feira (29) pelo IBGE, ele recebe o correspondente à renda média do trabalho do 1% mais bem pago do país.

Não que o texto tenha escolhido chamar esse trabalhador bem remunerado de “funcionário”, numa referência enviesada ao serviço público. Ou que o lamento sobre as “dimensões brutais da desigualdade nacional” seja seguido pela citação de “gastos previdenciários, que consomem a maior fatia do Orçamento federal” e a “gratuidade constitucional do ensino superior público”.

O que realmente deveria surpreender é que a esquerda continua a repetir esses números escandalosos. Ou fique discutindo classificações sociológicas rasas, como “classe média”, “classe C”, etc.

Saber, por exemplo, que os muito ricos ganham 36 vezes mais que a metade da população diz muito pouco sobre quem podem ser nossos aliados na luta de classes em um país tão injusto e violento. Seriam os que ganham apenas 3 vezes mais que a média nacional? Ou 5 vezes? A metade? Um terço?

Indicadores objetivos sobre as classes sociais são quase inúteis se não se relacionarem a seus elementos subjetivos. Mas trata-se de um nível de compreensão da realidade que nenhum recurso econômico ou científico pode alcançar.

Dar conta desse desafio exige outros instrumentos. Pouco dispendiosos, bastante acurados, porém muito trabalhosos. Envolvem o que costuma chamar-se trabalho de base.

Leia também:

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Rosa Luxemburgo: o futuro pertence ao “bolchevismo”

Em setembro de 1918, Rosa Luxemburgo escreveu algumas notas que ficaram conhecidas pelo título “A Revolução Russa”. O texto faz uma critica fraternal, mas muito firme, de várias medidas tomadas pelos bolcheviques em seus primeiros meses de governo.

As divergências de Rosa se relacionam, especialmente, às questões agrária e das nacionalidades, assim como ao que ela considerou serem restrições à liberdade política dos trabalhadores.

Mas pessoas muito próximas à autora, como Clara Zetkin, afirmaram que estas críticas já vinham sendo revistas pela própria autora. Afinal, Rosa fez suas anotações no isolamento de um cárcere alemão, com acesso restrito aos detalhes sobre a situação na Rússia.

Além disso, o texto veio à luz em 1922, três anos após a morte de Rosa. O responsável pela publicação foi Paul Levi, que travava uma luta ideológica com a direção do Partido Comunista alemão. Fator que, certamente, pesou mais do que qualquer respeito às preocupações teóricas de sua autora.

De qualquer modo, no final do texto Rosa reconhece o acerto da ousadia política dos bolcheviques durante o processo revolucionário russo. “Nesse sentido”, ela faz questão de enfatizar:

...o que permanece seu mérito histórico imperecível é que conquistando o poder político e colocando o problema prático da realização do socialismo abriram o caminho ao proletariado internacional e fizeram progredir consideravelmente o conflito entre capital e trabalho no mundo inteiro. Na Rússia, o problema só podia ser posto. Não podia ser resolvido na Rússia, ele só pode ser resolvido em escala internacional. E, nesse sentido, o futuro pertence em, toda parte, ao “bolchevismo”.

Leia também:
Putin, o czar, acusa os bolcheviques de traição

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Alguns oásis na travessia de “O Capital”

Para suavizar a árida travessia da leitura de sua maior obra, Marx oferecia alguns oásis literários.

Ao discutir, por exemplo, a utilização capitalista das máquinas, ele cita palavras do degolador Bill Sykes, de Charles Dickens:   

Senhores jurados, não há dúvida de que a goela deste caixeiro-viajante foi cortada. Mas isso não é culpa minha, é culpa da faca. Teremos nós, por causa deste inconveniente temporário, de abolir o uso da faca? Vejam só! Onde é que estariam a agricultura e o comércio sem a faca? Não é ela tão salutar na cirurgia quanto conhecedora em anatomia? E além disso uma ajuda que se deseja à mesa do festim? Se abolem a faca — lançam-nos de volta nas profundezas da barbárie.

Há um trecho em que Marx destaca a capacidade do capitalismo em transformar trabalho vivo em trabalho morto. Em valor que se valoriza a si mesmo e, ainda assim, tem a capacidade de se mostrar como “um momento animado que começa a ‘trabalhar’ como se tivesse ‘amor no corpo’”. Esta última expressão pertence a um verso do “Fausto”, de Goethe.

Por fim, “Antígona”, de Sófocles:

Nada suscitou nos homens tantas ignomínias/ como o ouro. É capaz de arruinar cidades,/ De expulsar os homens de seus lares./ Seduz e deturpa o espírito nobre/ Dos justos, levando-os a ações abomináveis,/ Ensina aos mortais os caminhos da astúcia e da perfídia,/ E os induz a cada obra amaldiçoada pelos deuses.

Mas como disse Shakespeare, em outra frase presente na obra, “o curso do verdadeiro amor nunca é sereno”. E o deserto continua logo adiante, esperando pelos persistentes leitores.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Inteligência artificial, com spoiler

O livro “Homo Deus”, de Yuval Harari, pode despertar desconfianças por ser um best-seller. E seu autor tem sido acusado de fatalista, positivista etc. Mas sua leitura ajuda bastante como introdução ao debate sobre as consequências do desenvolvimento da inteligência artificial.

Seguem abaixo os trechos finais da obra. Aos que não leram ainda pode até ser uma espécie de “spoiler”, mas de forma alguma substitui o prazer da leitura:

Se pensarmos em termos de décadas, avultam o aquecimento global, o crescimento da desigualdade e a disrupção do mercado de trabalho. Mas, se adotarmos uma visão realmente ampla da vida, todos os outros problemas e desenvolvimentos serão ofuscados por três processos interconectados:

1. A ciência está convergindo para um dogma que abrange tudo e que diz que organismos são algoritmos, e a vida, processamento de dados.

2. A inteligência está se desacoplando da consciência.

3. Algoritmos não conscientes mas altamente inteligentes poderão, em breve, nos conhecer melhor do que nós mesmos.

Esses três processos suscitam três questões-chave, que espero que fiquem gravadas em sua mente muito depois de você ter terminado a leitura deste livro:

1. Será que os organismos são apenas algoritmos, e a vida apenas processamento de dados?

2. O que é mais valioso — a inteligência ou a consciência?

3. O que vai acontecer à sociedade, aos políticos e à vida cotidiana quando algoritmos não conscientes mas altamente inteligentes nos conhecerem melhor do que nós nos conhecemos?

Como se vê, Harari sugere que nosso maior desafio não diz respeito à inteligência artificial. Diz respeito à inteligência. A nossa.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Inteligência Artificial: temor religioso

“Dentro da primeira igreja de Inteligência Artificial” é uma reportagem de Mark Harris, publicada por Wired em 15/11.

Trata-se de “Caminho do Futuro”, recém criada por Anthony Levandowski, engenheiro conhecido por ter desenvolvido carros autônomos.

Sua missão? "Realização, aceitação e adoração de uma divindade baseada na Inteligência Artificial desenvolvida através de softwares e hardwares de computador".

A matéria traz inúmeros depoimentos tão coerentes quanto espantosos de Levandowski. Por exemplo, ao definir a divindade que cultua:

Não é um deus no sentido de causar um raio ou furacões. Mas se existe algo um bilhão de vezes mais inteligente que o ser humano mais inteligente, de que mais o chamamos?

Por trás do projeto, precaução:

No futuro, se algo for muito, muito mais inteligente, haverá uma transição sobre quem está no comando de verdade. O que queremos é a transição pacífica e tranquila do controle do planeta dos humanos para o que for. E garantir que esse “o que for” saiba quem o ajudou.

Quase covardia:

Adoraria que a máquina nos enxergasse como seus queridos anciãos nos respeitando e cuidando de nós. Gostaríamos que esta inteligência dissesse: “Os humanos devem continuar tendo direitos, mesmo que eu esteja no comando”.

Precisamos aprender a nos comportar como um animal doméstico. Trabalho duro e respeito pelo dono ou castigo.

Vale até comparação com uma criança peralta. É preciso tentar corrigi-la sem usar agressividade. Do contrário, ela não “será nada amigável quando a situação se inverter”.

Seria como surrar o trombadinha na infância e encontrá-lo, já adulto, como o traficante dono do pedaço.

Como em muitas religiões, o temor é fundamental.

Leia também: Socialismo seria igual a sovietes mais inteligência artificial?

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Putin, o czar, acusa os bolcheviques de traição


O centenário da Revolução de Outubro na Rússia foi ignorado pelas autoridades locais. Um discurso feito por Vladimir Putin ajuda a entender porquê.

Em 2012, Putin já estava no comando da Rússia desde 1999. Em junho daquele ano, ele falou na Câmara Alta do Parlamento Russo. Ao lembrar as vítimas russas da Primeira Guerra, o governante culpou os bolcheviques pela “derrota” de seu país no conflito.

Segundo ele, o governo liderado por Lênin traiu os interesses nacionais ao negociar um tratado de paz "vergonhoso" com a Alemanha. Só não disse que foi o tratado que acabou empurrando o conflito para seu final, poupando milhões de vidas.

Para Putin, somente Stálin merece respeito, pois teria tornado a Rússia grande novamente, além de ser responsável pela derrota do nazismo na Segunda Guerra. Daí uma das datas mais festejadas pela cúpula russa ser 9 de maio. Neste dia, em 1945, as tropas soviéticas derrotaram os nazistas na “Batalha de Stalingrado”.

Neste caso, Putin segue a historiografia stalinista e ignora que a heroica vitória das tropas soviéticas não aconteceu graças a Stálin, mas apesar dele. Afinal, Stálin confiou no pacto que fez com Hitler até as vésperas da invasão do território russo pelo exército alemão.

Outra comemoração oficial importante é 4 de novembro, Dia da Unidade Nacional. Nesta data, em 1612, tropas invasoras polonesas foram expulsas de Moscou, apesar da ausência de um Czar para guiar a resistência russa.

O povo russo bem que poderia se inspirar nas duas datas favoritas das autoridades para se livrar de seu atual czar, figura querida por forças de extrema-direita no mundo todo.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Quando não há recuos porque não houve avanços

Desde a posse do governo golpista, a sucessão de retrocessos sociais e políticos acelerou fortemente. As poucas conquistas populares que não eram letra morta na legislação estão sendo eliminadas.

O conservadorismo atinge com rapidez e violência quase inédita todas as frentes de luta: trabalhista, ambiental, feminista, antirracista, sexual, educacional, agrária, indígena e direitos humanos em geral. Mas há uma exceção importante. A democratização dos meios de comunicação.   

Em 21/11, A organização Repórteres Sem Fronteiras e o coletivo Intervozes apresentaram o relatório “Monitoramento da Propriedade da Mídia no Brasil”. O levantamento envolveu os 50 veículos de comunicação com maior audiência no Brasil e os 26 grupos econômicos que os controlam.

Apenas um dos dados ajuda a entender todo o resto e mais além: 80% dos grandes grupos de mídia estão localizados nas regiões Sul e Sudeste do país. E a região metropolitana de São Paulo abriga 73% das empresas do Sudeste.

Toda essa concentração coincide e faz parte da concentração de poder econômico, político e social do país. Os mesmos grupos não apenas asseguram a defesa de seus interesses pelos Três Poderes. Eles também as justificam pelos meios de comunicação que controlam tranquilamente há muitas décadas.

É a maior prova de que o monopólio dos meios de comunicação é um pilar fundamental da dominação capitalista, em especial no Brasil. É a disputa de hegemonia feita de forma tão eficiente que faz parecer que o direito a informação é o único a se manter firme frente à atual onda conservadora.

Realmente, não há recuo possível se não houve avanço algum. Parabéns aos envolvidos. Parabéns para nós!