quinta-feira, 19 de maio de 2016

Socialismo e barbárie nos Estados Unidos

Na corrida presidencial estadunidense, surpreende o sucesso do pré-candidato democrata Bernie Sanders contra Hillary Clinton.

Qualquer político americano sabe que apenas se parecer com um socialista é garantia de fim de carreira.

Sanders, porém, faz questão de se apresentar como socialista. O centro de sua campanha é a denúncia dos privilégios do 1% da população estadunidense frente à pobreza e exploração que atinge os outros 99%. Mas não apenas isso.

Sanders é homem, branco, de classe média, idoso e heterossexual. Mesmo assim, se transformou no candidato favorito dos jovens americanos progressistas, incluindo negros, mulheres, LGBT, assim como vários setores de trabalhadores.

Sanders defende os direitos das minorias oprimidas, sem ignorar as maiorias exploradas. A especialidade dos Clinton sempre foi a defesa dos direitos individuais e das “minorias”, enquanto desprezam a exploração das multidões.

Essa política foi adotada com sucesso por Obama. O problema é que os dois mandatos do simpático presidente estadunidense foram marcados pela pior distribuição de renda da história americana.

O fato é que as medidas adotadas contra os efeitos da crise de 2008 foram as piores possíveis. A dinheirama que saiu dos cofres públicos voltou para os mesmos especuladores que causaram a crise. Enquanto isso, foram gerados empregos insuficientes e mal pagos.

Teria chegado a vez do socialismo no centro do imperialismo mundial?

Pela via institucional, nem a versão suave de Sanders. Hillary deve ser a candidata democrata. A questão é sua fragilidade diante de Trump.

Sanders entusiasma o eleitorado democrata, tanto quanto Hillary o desanima. Altos níveis de abstenção podem eleger o republicano.

Teria chegado a vez da barbárie nos Estados Unidos?

Leia também: Donald Trump: tragédia nada acidental

Nenhum comentário:

Postar um comentário