quarta-feira, 18 de maio de 2016

O 18 brumário de Michel Temer

No debate sobre o caráter golpista do governo atual, seria interessante lembrar um dos conceitos de golpe, presente no livro “O 18 brumário de Luís Bonaparte“, de Karl Marx. A obra analisa as manobras políticas que deram poderes ditatoriais ao sobrinho de Napoleão, em 1851.

Para ficar à frente do golpe, Bonaparte criou a “Sociedade 10 de Dezembro”, cujos membros Marx assim descrevia:


...rebentos arruinados e aventureiros da burguesia eram ladeados por vagabundos, soldados exonerados, ex-presidiários, escravos fugidos das galeras, gatunos, trapaceiros, batedores de carteira, prestidigitadores, jogadores, cafetões, donos de bordel, carregadores, literatos, tocadores de realejo, trapeiros, amoladores de tesouras, funileiros, mendigos...
 


Seriam o que Marx chamou de “lumpemproletariado”. Trabalhadores em situação de miséria extrema ou marginalizados.

Ainda segundo Marx, tratava-se de uma “sociedade beneficente” na medida em que “seus membros sentiam a necessidade de beneficiar-se à custa da nação trabalhadora”. Na verdade, a maioria foi utilizada como massa de manobra por Bonaparte e seus aliados burgueses.

O Brasil atual também tem a sua “sociedade beneficente”. Criada com objetivos golpistas e chefiada pelo “gatuno” Eduardo Cunha, entre seus membros estão
 corruptos notórios e até acusados de homicídio. Golpe consumado, vários deles ganharam cargos de ministros. 

É verdade que há semelhanças entre o ministério antigo e o do presidente interino. A maior diferença é que, agora, 23 dos 28 ministros de Temer são milionários.

Ou seja, aqueles que Marx descreveu como habitantes do porão da sociedade francesa do século 19, no Brasil integram a classe dirigente há muito tempo. A grande mudança é que agora dispensam intermediários, revelando a exata medida da estatura moral da burguesia local.

Leia também:
Muito trauma, nenhuma ruptura

Um comentário:

  1. As coisas acontecem lá bem antes né?! Parece que inclusive hoje estão protestando contra uma reforma trabalhista por lá. Interessante..

    ResponderExcluir