quarta-feira, 4 de maio de 2016

O partido dos tamanduás

As causas que levaram o PT à terrível crise por que vem passando precisam ser debatidas pelo conjunto da esquerda.

Uma ótima contribuição nesse sentido é a tese de doutorado de Eurelino Coelho, “Uma esquerda para o capital”, defendida em 2005 e transformada em livro em 2012.

O estudo mostra a gradual transformação do PT de partido de contestação da ordem em seu dedicado defensor. Um importante elemento nessa trajetória seria o abandono do princípio da independência de classe.

Em 1981, por exemplo, com apenas um ano de existência, o PT era assim descrito em um cordel elaborado por militantes do Piauí:

Um partido que é do povo/ sem pelego, sem patrão/ sem luxo, sem mordomia,/ sem furto, sem corrupção/ onde não se compra voto/ e nem se vende ilusão.
Existem outros partidos/ todos da “oposição”/ e por trás de cada um/ está oculto um patrão/ cuidado trabalhador:/ escute, preste atenção.

No mesmo ano, o setor agrário do PT de Minas Gerais lançou uma cartilha em quadrinhos com o título “Partidos das Formigas (Tamanduá não entra)”.

Na campanha eleitoral de 1982, diz o texto, vários candidatos petistas em todo o país distribuíam panfletos de campanha que diziam “Quem bate cartão, não vota em patrão”.

Como se sabe, hoje a situação é bem diferente.

Claro que esse não é o único elemento a explicar a atual situação vergonhosa do partido. E, realmente, o estudo de Coelho vai muito além disso. Por isso, vale a leitura.

Mas o fato é que, mesmo que ainda restem algumas formigas nas bases petistas, o partido está entregue aos tamanduás.

Leia também:
Faltou o pato!
A amnésia política dos tribunais imorais
A pior das ressacas

6 comentários:

  1. Ja fui do Pt e muita coisa realmente mudou..mas voce acha que o PSol é realmente uma alternativa diferente:Tem militante de base , das lutas comunitárias na direção?Existe democracia participativa?Uma liderança ou referencia de base , pobre pode ser candidato e o partido assume a campanha?Qual é proporção entre capas pretas e base?Existe formação politica ?Mulheres negras homens negros e jovens estão presentes nas instancias de direção? Sabe de algum partido que tem prática democratica participativa , inclusiva?

    ResponderExcluir
  2. Cleonice, estou afastado da militância no PSol faz algum tempo. Mas sei que foram feitos muitos esforços no sentido de responder afirmativamente às perguntas que você faz. O problema é que esse perfil inclusivo, democrático, participativo não se viabiliza somente a partir de boas disposições políticas. Há uma série de limitações estruturais de que é difícil nos livrar. E o PSol também herdou muito do que aconteceu no PT, para o bem e para o mal. Há uma preocupação com a participação da base, mas também muita dependência em relação às estruturas de mandatos e dos aparatos sindicais ainda. Acho que o surgimento de uma organização partidária como o PT das origens somente seria possível em um novo ascenso de lutas, ainda assim, criando suas próprias formas originais de organização e participação. Trata-se de saber aproveitar ou não momentos que a luta de classes nos oferece.
    Obrigado por seu comentário
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Oi mano, segue uma sugestão de trilha sonora para ler esse artigo: https://www.youtube.com/watch?v=Uk_B6b78ELI

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo blog.
    Essa cartilha em quadrinhos com o título “Partidos das Formigas (Tamanduá não entra)”. você tem um exemplar? alguém?? Seria legal disponibilizar aqui, um link, etc.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente, não Deoclecio. Só ouvi falar dela pelo texto do Eurelino. Tentei procurar na internete, mas não achei.
    Obrigado pelo apoio.
    Abraço!

    ResponderExcluir