segunda-feira, 16 de maio de 2016

A bailarina negra que fez das correntes sapatilhas

Sexta-feira, 13/05, Sesc Copacabana. No centro do teatro de arena, atrizes, atores, dançarinas e dançarinos. O espetáculo é sobre Mercedes Baptista (1921-2014), primeira bailarina negra a integrar o corpo de dança do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, aprovada em concurso em 1948.

O talento de Mercedes não se impôs apenas aos palcos da elite. Também participou do “Teatro Experimental do Negro”, fundado por Abdias do Nascimento. Nesta condição, a bailarina que já havia trabalhado como operária e doméstica, militava por reconhecimento e dignidade para os atores e dançarinos negros no teatro brasileiro.

Seu talento foi reconhecido no exterior. Nos Estados Unidos, Mercedes ministrou cursos no Connecticut College, no Harlem Dance Theather e no Clark Center de Nova York. No Brasil, a coreografia afro-brasileira de Mercedes ajudou a revolucionar o carnaval carioca, tendo sido campeã com o Salgueiro, em 1962.

Tudo isso está esquecido, soterrado pela história dos que venceram, ainda que Mercedes sempre tenha sido vitoriosa. Como diz o personagem de Abdias na peça, nem todo esse reconhecimento a livrou de sentir o peso das correntes ancestrais em suas sapatilhas.

No espetáculo, a beleza da dança, da música, do cenário, do canto está a serviço de uma história dolorida, bonita e comovente. Tambores e atabaques recepcionando piano, violino e violoncelo. A coreografia como liberdade de usar o próprio corpo e recusar sua submissão aos abusos da escravidão, ontem, e do racismo, hoje.

Sexta-feira, 13/05, o Grupo EMÚ, em Copacabana, apresentava o lindo espetáculo “Mercedes Baptista” para uma plateia quase vazia. Apesar disso, os bailarinos e músicos não usavam nem correntes nem sapatilhas. Somente asas!

Leia também:
Evaporados, invisíveis, esbranquiçados, alvejados...
De volta aos evaporados, invisíveis e alvejados

2 comentários:

  1. Oi, quem fala é Sol Miranda. Sou atriz e produtora do espetáculo. Fico muito feliz com sua postagem. Agradeço em nome de todo grupo.
    Estamos em nossa última semana de apresentações. A casa está lotada! Estamos vendo um caminho sendo trilhado. A mensagem está chegando e isso no motiva a permanecer na luta. Gostaria de entrar em contato com vc para falarmos sobre algumas questões. Deixo aqui meu email de contato:

    solmmiranda@gmail.com
    projetomercedes@gmail.com

    Abraços!

    ResponderExcluir