quarta-feira, 26 de agosto de 2015

De volta ao século 19 com Uber e Whatsapp

Em maio, o IdgNow divulgou pesquisa realizada pelo grupo Regus que aponta o Whatsapp como o preferido por 95% dos profissionais de escritório, seguido de Skype e Facebook Messenger.

Segundo Otávio Cavalcanti, diretor da Regus, a importância desse “suporte tecnológico” é “mostrar como os funcionários podem ser totalmente operacionais, mesmo quando não estão no escritório”.

Por “totalmente operacionais”, entenda-se à disposição do patrão em tempo integral.

Enquanto isso, Marcio Pochmann entrou na polêmica Uber x táxis. Em artigo publicado no portal Rede Brasil Atual, em 23/08, ele mostra como o aplicativo é mais um exemplo de ferramenta que torna possível os chamados "contratos de trabalho de zero horas".

O Uber permite o “emprego do trabalho disponível a partir de cadastramento livre de mão de obra excedente, sem nenhum benefício de proteção social e trabalhista”.

No Reino Unido, diz ele, cerca de 1 milhão de trabalhadores estariam submetidos a essas condições, principalmente em redes como Mc Donald’s, Subway, entre outras.

Estaria em formação, portanto, “uma nova classe precária de trabalhadores mal pagos e levados a estar à disposição plena dos demandantes de trabalho flexível”.

Esse tipo de Fenômeno é bastante facilitado pelas novas tecnologias digitais, mas não é inédito.

Como Pochmann nota, no século 19, “o trabalho era realizado em locais distintos, por meio de grande competição entre a mão de obra disponível e sem qualquer proteção ou organização sindical”.

Voltamos ao século 19?, 
pergunta Pochmann. Ou, perguntaríamos nós, ficamos no século 20, defendendo operadoras de celular que roubam seus clientes e a meia-dúzia de donos de frotas que superexploram dezenas de milhares de taxistas?

Leia também: Robôs, Lênin e Zé Ramalho

2 comentários:

  1. Entre a cruz e a caldeirinha. Mas o que queria comentar é a nova formação do exército de reserva. Antigamente eles ficavam nas docas, nas portas das fábricas; hoje, ficam nos celulares. Mudaram as moscas. Ou seria mais correto dizer que mudou a forma delas voarem? Acho que os dois: os operários não existem exatamente como eram; e não chegam mais a merda como chegavam antigamente.

    ResponderExcluir
  2. Acho que aumentam as moscas pra pouca merda de menor qualidade. Mas o mais sério talvez seja o isolamento das pessoas. A individualização, que também lembra o século 19, em que fábricas enormes ainda eram poucas.
    Valeu!

    ResponderExcluir