segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

A família Marx festeja o Natal

A família Marx também era chegada a uma festinha de Natal. É o que Mary Gabriel revela em “Amor e Capital”.

Questionado pelos filhos sobre as origens do Natal, Marx dava sua versão. Tratava-se do nascimento de um pobre carpinteiro que seria assassinado pelos ricos na idade adulta.

Mas não eram as convicções materialistas dos Marx que os impedia de participar do clima festivo. Era a costumeira penúria, mesmo. É verdade que já se tratava de uma festa tomada pela lógica da mercadoria. Mas Jenny e Karl sabiam reconhecer e respeitar o apelo natalino sobre suas crianças.

Em 1849, chegando a Londres, os Marx se depararam com as vitrines cheias de brinquedos, tecidos e joias. E os empórios exibiam muitas delícias e guloseimas.

Mas somente em 1853, a família teve condições financeiras para comemorar o Natal. Contando com a ajuda de amigos, a decoração teve até árvore. Entre os presentes distribuídos às crianças, bonecas, um tambor, panelinhas e armas de brinquedo.   

Para os adultos, muito bebida e comida. Um vinho trazido por Engels só foi revelar sua péssima qualidade no dia seguinte. A ressaca atingiu até as crianças.

De fato, Marx dizia tolerar o Natal porque “nos ensinou a cultuar uma criança”. E ele realmente as adorava. Queria-as sempre por perto e não aceitava separá-las dos adultos. Não porque elas tivessem o que aprender com eles, dizia, mas exatamente o contrário.

A figura do Papai Noel só se tornaria conhecida muito tempo depois. Se vivesse no século 20, é possível que Marx aceitasse, pelo menos, usar a toca vermelha do velhinho para agradar seus filhos.
 Felizes festejos e até 2014!

Leia também: Engels, o anjo torto de Marx

4 comentários:

  1. Tá bom, Sergio, eu vou comprar o livro. Desconhecia aspectos pessoais da vida do Marx. Achei interessante. Amei o Marx de toquinha vermelha, muito hilário.
    Vc vai sair de férias? Que é isso companheiro? Não vou gostar de ficar sem as pílulas, pérolas e mídia. Fazer o que? Acho que até militante tem direito. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Issaí, Marião. O livro vale a pena.
      Nem eu aguento mais minhas pílulas, pérolas e mídia.
      Bejos e até 2014!

      Excluir
  2. Ah, Sérgio!
    Excelente msg Natalina! Eu comprei o livro, vou ler nas férias, enquanto me preparo para a maratona do final do doutorado.
    Adorei a msg e vou copiar alguns trechos quando for preparar a minha (rsrsrsrs) os amigos marxistas sempre me cobram. Faz dois anos "inventei" um conto de natal comunista, usando um texto de Engels, não sei se vc lembra. Tb casou boa repercussão. Quando enviar a minha, darei os créditos, ok? bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lorene. Que bom que gostou. E que bom que nós, comunistas, nos
      damos o direito de dialogar com coisas assim sem perder o radicalismo
      na luta. Não lembro desse seu conto, mas acho que não li. Não me
      esqueceria de um texto com esse tema. Manda, logo que der.
      Beijão camarada!

      Excluir