quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Na capoeira, a volta é por baixo

“Levanta, sacode a poeira e dá volta por cima”, cantava Paulo Vanzolini. Seria esta a trilha sonora dos que finalmente tiraram o PT do governo federal? Nada disso.

Para começar, somos um país que nasceu sob o governo de um herdeiro da mesma monarquia que nos colonizou por séculos.

A abolição da escravidão foi adiada muitas décadas, à espera dos acertos necessários para impedir prejuízos à elite escravocrata.

A República foi decretada por um monarquista, junto a republicanos que tinham nojo de povo.

O golpe de 1930 foi dado por um ex-ministro do governo golpeado, que uniu a elite ao garantir controle férreo sobre as organizações sindicais.

Getúlio preferiu o suicídio e Jango, o exílio, a promover um levante popular contra aqueles que eram seus inimigos políticos, mas seus irmãos de classe social.

A “redemocratização” só começou após conchavos de gabinete garantirem impunidade aos carrascos da ditadura empresarial-militar.

Logo após ser aprovada, a Constituição “Cidadã” começava a perder direitos em votações no Congresso Nacional, graças a trocas de cargos e favores.

Finalmente eleito um governo de esquerda, ministérios e setores estratégicos ficaram sob controle da direita. Henrique Meirelles à frente.

Um golpe substituiu Temer por Dilma. Mas no ministério e no apoio parlamentar continua a escória que passou pelos vários governos petistas. Henrique Meirelles de volta.

Na verdade, nossas elites dominantes sempre deram a volta por cima, mesmo que nunca tenham levado tombo algum.

Aos que lutam, só resta manter a confiança nas mobilizações de baixo para cima. Aquelas que, inspiradas na capoeira, dão a volta por baixo para derrubar o inimigo.

Leia também: Sobre golpes e contragolpes

Nenhum comentário:

Postar um comentário