segunda-feira, 15 de junho de 2015

O PT no abismo

Recente pesquisa da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, apresentou conclusões preocupantes.

A primeira delas era previsível. A confiança dos brasileiros na polícia é menor entre negros, pardos e indígenas. Ela chega a 30%, contra 37% dos brancos. A diferença só poderia surpreender por não ser maior.

Em comparação com 2014, a confiança no Judiciário caiu de 30% para 25%, no governo federal de 29% para 19% e nos partidos políticos de 7% para 5%. Ministério Público (45%) e Congresso Nacional (15%) ficaram estáveis.

Aumentou a credibilidade nas Forças Armadas (de 64% para 68%), na Igreja Católica (de 54% para 57%), nas emissoras de TV (de 31% para 34%) e na polícia (de 30% para 33%).

Ou seja, o núcleo duro e repressivo do Estado e nos aparelhos da ideologia dominante mais poderosos andam ganhando moral. A exceção é o Judiciário, que não vem conseguindo disfarçar sua condição de antro conservador.

Enquanto isso, cargo eletivos, como os dos governos, ou forças que deveriam estar mais sujeitos à influência popular, como os partidos, afundam em sua insignificância estrutural. Reduzidas cada vez mais à condição de alas de um Estado cada vez mais parecido ao que Marx caracterizou como comitê de administração dos negócios da burguesia.

Para agravar, o 5º Congresso do PT aprovou resoluções totalmente rendidas a esta situação. Como lembraram alguns, foi a primeira vez que o partido traiu promessas que já eram, em si mesmas, vergonhosamente feitas sob encomenda para se manter no governo.

Há petistas que pensam estar apenas mirando o abismo, mas já o estão habitando.

Leia também:
Os partidos como máquinas burocráticas despolitizadas

Nenhum comentário:

Postar um comentário