13 de julho de 2018

Marx, Engels e o quebra-cabeças capitalista

Na biografia “Karl Marx: Grandeza e ilusão”, Gareth Stedman Jones destaca o papel fundamental de Engels na obra de Marx. Foi ele, por exemplo:

...o primeiro a identificar as possibilidades revolucionárias da indústria moderna, a ressaltar o lugar do operário fabril e a dramatizar para socialistas alemães o caráter da moderna luta de classes industrial. Seu estudo sobre a Inglaterra ligava os estágios da formação da consciência de classe proletária a fases do desenvolvimento industrial. Seu interesse central pela fábrica movida a energia a vapor, em vez da oficina, também o levou a enfatizar a relação entre trabalhadores e meios de produção, em vez do produto isolado, e a descrever a relação entre as classes, em vez da competição entre indivíduos alienados; e esse relato impressionou Karl profundamente. Quase vinte anos depois, Karl escreveu para Engels: “No que diz respeito às principais teses do seu livro […] elas foram confirmadas até o último detalhe pelos acontecimentos posteriores a 1844”.

Foi assim que Engels levou Marx a buscar outros autores fundamentais. É o caso especialmente de Simonde de Sismondi, David Ricardo e Adam Smith, cujas contribuições foram devidamente reconhecidas por ele.

Mas foi a genialidade de Marx que tornou possível juntar os elementos capazes de dar um panorama coerente para o enorme e confuso quebra-cabeças que é a sociedade capitalista.

Não para resolvê-lo, mas para desmontá-lo. Na maior parte do tempo, peça por peça. Mas, muitas vezes, com uns bons chutes. Para Marx, e principalmente para o belicoso Engels, havia momentos em que a luta de classes tornava inevitável quebrar algumas cabeças.

Engels, o anjo torto de Marx

4 comentários:

  1. Bom, muito bom. Bom resgate de Engels e a importância dele para a teoria futura de Marx. Ouvi essa frase (não deve ser exatamente assim), não sei se de Lenin (não estou com saco, como muitas vezes, de procurar tudo na internet, deixo algumas ao léu mesmo): "sobre os ombros de um grande intelectual conseguimos enxergar mais longe". Acho que foi realmente o que Marx fez, e fez bem, e foi grande e até maior que Engels, mas não sabemos contar a história que seria se fosse diferente, se, por exemplo, Engels não existisse. Por fim, estou muito convencido disso, Marx desmontou com preciosidade o capitalismo, muito mais do que montou o socialismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Marião. Marx nunca quis fazer futurologia. E o parceirão, além de teórico brilhante, ainda tinha que sustentar a família Marx toda e aguentar o pai carolão. Por isso, Engels gostava de uma boa farra. Ninguém é de ferro e ele ainda tinha muito dinheiro.
      Braço!

      Excluir
  2. Marx e Engels, um 'bom encontro' no sentido espinosista da expressão. abração!

    ResponderExcluir