terça-feira, 16 de dezembro de 2014

A ONU não merece Portinari

O mural "Guerra e Paz", de Cândido Portinari, está voltando à sede da ONU, em Nova Iorque, onde foi instalado em 1957. A obra estava no Brasil passando por restauração.

Poucos episódios mostram o verdadeiro caráter das Nações Unidas como a história da obra do pintor brasileiro. As dependências da ONU são consideradas território internacional, mas ficam nos Estados Unidos. Portinari era comunista. Por isso, o governo estadunidense jamais permitiu seu ingresso no país. O genial artista morreu em 1962, sem ver sua obra exposta.

A ONU deveria representar os países do mundo, mas está enfiada no centro do imperialismo que explora a grande maioria deles. Seu objetivo principal é promover a paz e a integração entre os povos. Mas suas poucas decisões realmente efetivas envolvem as chamadas “tropas de paz”. Na verdade, destacamentos militares facilmente manipuláveis por interesses poderosos.

É o caso das tropas lideradas por brasileiros no Haiti. Presentes no país desde de 2004, são responsáveis por casos de corrupção, repressão a movimentos sociais e até por terem espalhado o vírus do cólera, doença que havia desparecido daquele país no século 19.

Tudo isso sem falar no Conselho de Segurança, em que uma minoria de estados pode vetar ou impor decisões aos restantes dos países. Nele, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China valem muito mais do que os outros 188 membros da organização.

A obra de Portinari mostra os horrores da guerra para celebrar a paz. A ONU jamais impediu que os primeiros ocorressem nem conseguiu que fosse promovida a segunda. Seu compromisso é com os poderosos. Não merece exibir um Portinari.

Leia também:
O Ebola e a militarização do racismo
As mãos sujas do governo brasileiro no Haiti
O cólera e a cólera no Haiti

2 comentários:

  1. Os seus artigos deveriam mudar de nome de pílulas diárias para metralhadora por dois motivos. Primeiro, acho que são um ataque feroz contra o imperialismo; segundo, como consegue arrumar assunto para escrever diariamente e sobre assuntos que, pelo menos eu desconhecia, como este do quadro do Portinari. Eu preferia algo mais feroz como uma metralhadora, luta armada; mas você é mais sutil, eu sei, e prefere ir de conta-gotas. Tá bom assim.

    ResponderExcluir
  2. É isso, Marião. Mas espero que as gotas sejam, pelo menos, um pouco venenosas pra eles. Você é um dos principais responsáveis por me fazer odiar o imperialismo. Obrigado. Quanto a arrumar assunto, são eles que arrumam o tempo todo. Bração!

    ResponderExcluir