segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Dilma morde, Lula assopra

A crise econômica que se aproxima deve tornar o governo Dilma alvo fácil para a oposição. Por isso, ela está tentando amansar a direita montando um ministério ao gosto dos neoliberais e dos capitalistas em geral.

Enquanto isso, Lula defende a formação de uma frente de esquerda para pressionar Dilma a atender as exigências dos movimentos populares. Com isso, pretende blindar o governo pela esquerda, transformando as mobilizações em moderadas queixas vindas das ruas.

É a engenharia política lulista entrando em nova fase. Dilma morde, Lula assopra.

Apesar disso, a oposição de esquerda não pode simplesmente se negar a participar de uma frente que pretenda mobilizar a população. Seu grande desafio é se diferenciar em relação às linhas auxiliares do governo no interior dos movimentos. 

Para isso seria importante exigir que sejam adotadas algumas bandeiras radicais. Por exemplo, a instalação urgente de duas auditorias. Uma, da dívida pública, a outra, das concessões de rádio e TV. Reforma Agrária imediata e extinção da Polícia Militar também precisam ter prioridade máxima nas exigências junto ao governo.

Mas há outra condição inegociável para marchar ao lado dos setores governistas. É o imediato desmonte da legislação e do aparato de exceção que caiu sobre os movimentos populares e suas manifestações desde junho de 2013. Incluindo a libertação dos presos políticos e o fim dos processos contra manifestantes.

Por fim, não há como participar de uma frente sob a liderança do principal responsável por um arranjo político que jamais ameaçou qualquer interesse dos poderosos. Lula costuma usar seus dentes não para morder, mas para lançar dóceis sorrisos aos exploradores.

Leia também: Cinco séculos, ontem e anteontem

Nenhum comentário:

Postar um comentário