quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Asterix e Cuba

Por volta do ano 50 antes de Cristo, o Império Romano dominava quase toda a Gália, atual França. Só uma pequena aldeia resistia. Liderados por Asterix e fortalecidos por sua poção mágica, os destemidos aldeões davam verdadeiras surras nos legionários romanos.

Estamos falando dos famosos quadrinhos de Albert Uderzo e René Goscinny, claro. Mas uma de suas aventuras ganhou um interesse especial nos últimos dias. Em “Obelix e Companhia”, César envia um personagem chamado Velhacus para a aldeia rebelde com a missão de derrotá-la por meios não militares.

Com bolsas cheias de dinheiro, Velhacus chega à aldeia e começa a comprar aos montes os menires que Obelix produz. Quando este já não dá conta da produção, contrata outras pessoas para ajudá-lo. O resultado é a concentração das atividades dos aldeões em torno da fabricação de menires.

A economia local se desorganiza totalmente. O peixeiro já não pesca para ajudar na produção de menires. O mesmo acontece com o ferreiro, o caçador, o agricultor, etc. Até as mulheres abandonam seus afazeres domésticos, causando crises familiares.

Quem quiser saber o final da aventura, deve ler o excelente álbum de Uderzo e Goscinny. O propósito desse relato aqui é lembrar que há muito tempo, nos Estados Unidos, há quem defenda um modo mais eficiente de acabar com o regime cubano do que o embargo econômico.

Bastaria estabelecer as mais amplas relações comerciais com a ilha. A presença abundante de produtos e serviços colocaria rapidamente por terra um sistema que há 50 anos resiste ao império mais poderoso da história. Contra tal ameaça, não haveria poção mágica que resolvesse.

Leia também:
Asterix ajuda a entender o capitalismo
Cuba: de volta aos bordéis?
Em Cuba, pior que a chegada do agronegócio, são as novelas brasileiras

“Nosso imperialismo” chega a Cuba

Nenhum comentário:

Postar um comentário