quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Quando pentear o cabelo sangra

A menina Júlia, de oito anos de idade, certa vez foi surpreendida pela mãe diante do espelho do banheiro, penteando os próprios cabelos, extremamente crespos, com tanta força que fez com que o seu próprio couro cabeludo sangrasse.
 
O trecho acima refere-se a uma menina negra e pertence ao livro “A ralé brasileira”, organizado por Jessé Souza.

Outra passagem refere-se ao suposto “embranquecimento” de negros bem sucedidos:

Os negros que ascendem de posição de classe, quanto menos mulatos e mais negroides, mais vivem “o corpo em desgraça”, o drama existencial de serem em si um paradoxo, uma disfunção naquilo que nos parece a ordem natural das coisas. Esse é o drama que a noção de “embranquecimento” nos faz esquecer. O negro que enriquece não se torna um branco, mas rico como um branco. Seu corpo lhe deixa sob tensão; sua alma é branca, como diz o ditado popular, mas o corpo não.

Mulher sozinha aqui é como “toco de cachorro mijar”, diz uma moradora de favela, em outro trecho. Para essas mulheres, marido bom seria aquele que cede poucas vezes a seus próprios instintos violentos. Pode protegê-las de “altos riscos de violência, inclusive aqueles oferecidos por ele mesmo”.

Estes são apenas alguns exemplos da crueldade social que reina entre os mais pobres. Claro que racismo e machismo também se manifestam em outros setores da sociedade. Mas não com toda essa truculência crua.

São situações terríveis e humilhantes não apenas para suas vítimas. Mostram como funciona uma sociedade que afirma oferecer oportunidades para todos, quando apenas multiplica as chances de causar dor e injustiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário