quinta-feira, 25 de maio de 2017

Os vários golpes, os diversos golpistas

O mais recente ato desastrado de Michel Temer foi a decretação das Operações de Garantia da Lei e da Ordem. Na prática, as Forças Armadas foram chamadas a reprimir manifestações que ocorriam em Brasília contra o governo golpista e suas reformas neoliberais.

Muitos temiam e alguns desejavam que a iniciativa resultasse num golpe militar. Uma expectativa equivocada, pois desconsidera o permanente estado de intervenção militar que já vivemos há muito tempo.

O próprio Ministro da Defesa, Raul Jungmann, justificou a operação, alegando que:

...este instrumento é assegurado na Lei Complementar nº 97 de 1999 e pelo artigo 142 da Constituição Federal. De lá para cá, por exemplo, já ocorreram o emprego das Forças Armadas na Rio+20, na Jornada Mundial da Juventude, na Copa do Mundo, nos Jogos Olímpicos Rio 2016, e mais recentemente nas varreduras aos prédios, durante o aquartelamento de Policiais Militares do Espírito Santo e na crise de segurança no Rio de Janeiro, no começo de 2017.

Além disso, em 24/05 Luciana Amaral e Leandro Prazeres informaram no Portal UOL, que:

Segundo o site do Ministério da Defesa, um exemplo de uso das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem foi o emprego de tropas em operações de pacificação do governo estadual em diferentes comunidades do Rio de Janeiro.

E não nos esqueçamos que a partir de 2013, essa militarização ganhou novo impulso. Foi quando a vergonha caiu sobre o governo petista, que em resposta às enormes manifestações populares daquele ano aprovou uma lei antiterrorismo cujo alvo são os movimentos sociais.

Os golpes contra a democracia são muitos. Assim como os golpistas.

Leia também:

Um comentário:

  1. "Os golpes contra a democracia são muitos. Assim como os golpistas." Boa frase.

    ResponderExcluir