segunda-feira, 7 de abril de 2014

Panteras Negras: contra a polícia, a legalidade armada

Nunca ficou tão claro o caráter racista e antipopular do aparato policial brasileiro. A situação faz lembrar aquela que levou à criação do Partido dos Panteras Negras nos Estados Unidos, em 1966. São famosas as imagens que mostram seus integrantes portando armas e erguendo os punhos para exigir poder para os negros, o “Black Power”.

De armas na mão, os Panteras patrulhavam as ações dos policiais. Mas seus fundadores jamais defenderam o confronto aberto ao aparato policial. Ao verificarem abusos, se limitavam a exigir que a lei fosse respeitada por aqueles que deveriam zelar por seu cumprimento.

Ao agir desse modo, os Panteras não cometiam nenhum crime. Apenas invocavam a segunda emenda da constituição dos Estados Unidos, que dá direito a qualquer cidadão de portar armas para sua defesa.

Um dos fundadores da organização foi Bobby Seale. Em seu livro “Seize the Time: The Story of the Black Panther Party and Huey P. Newton”, ele chega até a defender a criação de uma polícia de caráter comunitário.

O perfil militar dos Panteras era um modo de atrair a juventude e as lideranças populares para sua principal proposta: a educação política e a auto-organização dos explorados. Entre os programas criados por eles, estavam o café da manhã gratuito para crianças, as “Escolas da Liberdade”, clínicas gratuitas de saúde e cooperativas de habitação.

Os Panteras Negras combinavam legalidade armada com disputa de hegemonia. Desta combinação também fazia parte o combate a quem defendia um racismo negro contra brancos. Para eles, a questão central era de classe.

É fundamental conhecer melhor esta importante experiência da esquerda mundial. 

3 comentários:

  1. Sérgio as experiências dos outros dois líderes estadunidenses da década de 60( Malcolm x e martin luther king) podem ser consideradas de classe e não apenas do movimento negro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sturt, até onde sei, o corte classista do ponto de vista do enfrentamento mais aberto contra a ordem só foi defendido por Malcolm X, ainda assim perto de sua morte. Dizem que King também começava a achar que uma radicalização que opusesse os explorados aos exploradores era necessária pouco antes de ser assassinado.

      Abraço!

      Excluir
    2. Tive um professor,especializado em história dos EUA e liberal, na faculdade, que defendeu essa tese nas aulas: Que mesmo King, era meio marxista na medida que ele incorporava em sua estratégia uma luta mais ampla do que a luta dos negros contra o racismo dos brancos. Esta luta seria a luta dos trabalhadores contra os patrões. Mas até agora não tive tempo de reler os textos e aprofundar no assunto.

      Excluir