sexta-feira, 27 de março de 2015

Lilith e o fruto proibido da rebeldia

Segundo a Bíblia, Eva foi feita a partir de uma costela masculina. Mas um antigo mito hebraico afirma que a primeira mulher foi Lilith, criada ao mesmo tempo que Adão e não como seu apêndice.

A igualdade de origem deu à Lilith petulância suficiente para que se recusasse a ficar sempre por baixo durante as relações sexuais com Adão. Como sua exigência não podia ser atendida, a primeira mulher simplesmente abandonou o Éden, paraíso reservado aos machos da nova espécie.

No lugar da rebelde surgiu Eva, que além de submissa, ficou sendo responsável pela perdição de Adão. É obvio que Lilith logo foi associada ao demônio. Em algumas versões, transformou-se na própria serpente que ofereceu o fruto proibido a sua sucessora.

A lenda sobre Lilith ficou perdida até que na modernidade voltou a ser lembrada por algumas feministas. Mas sua linhagem jamais se deixou abater. A rebeldia que desafiou os mais primitivos dos machistas reencarnou-se em inúmeras lutas protagonizadas por valorosas seguidoras.

É o caso da filósofa Hipátia, de Alexandria. De Olympe de Gouges, a libertária que desafiou os jacobinos. Da guerreira negra Dandara. De Angela Davis, outra guerreira negra. Da cubana Celia Sanchez. Das revolucionárias Nádia Krupskaya e Rosa Luxemburgo. Do vulcão chamado Frida Khalo...  

Além destas, há milhões de outras combatentes. Muitas delas anônimas, desafiaram o machismo, que se manifesta de várias formas, mas pode ser simbolizado pela ancestral utilização do ato sexual como humilhação. Não à toa, os torturadores sempre se utilizam do estupro contra suas vítimas mulheres.

Viva Lilith e suas sucessoras! Que continuem a distribuir muitos frutos proibidos!

Leia também:
A revolta da lua que menstrua

Nenhum comentário:

Postar um comentário