domingo, 24 de maio de 2015

Algumas braçadas contra a corrente conservadora

Todo mundo ficou sabendo da condenação à morte de Dzhokhar Tsarnaev. Ele é um dos acusados pelo atentado que matou três pessoas, e feriu mais de 250 na Maratona de Boston, cidade do estado americano de Massachusetts, em 2013.

O que quase ninguém divulgou é que o jornal “Boston Globe” fez uma pesquisa e descobriu que apenas 15% dos entrevistados aprovavam a pena de morte para o condenado. E em nível estadual, só 19% aceitaram a pena capital. Além disso, os pais de Martin Richard, garoto morto no atentado, escreveram uma carta ao Departamento de Justiça se posicionando contra a pena capital.

No Brasil, Rio de Janeiro, houve grande comoção com o assassinato de um médico na Lagoa Rodrigo de Freitas, esfaqueado por um rapaz de 16 anos. A justeza da revolta causado pelo trágico episódio não diminui o oportunismo com que a maioria da grande imprensa utiliza o caso para defender a redução da maioridade penal. Certamente por isso, foi dado pouco destaque à declaração da a ex-mulher da vítima, que condena a proposta.

A última notícia vem de um lugar inesperado. Ariana Miyamoto, a mais recente Miss Japão, é filha de uma japonesa e um negro americano. Por sua origem mestiça, ela é o que se costuma chamar no Japão de “hafu”, do inglês half, "metade". Uma vez eleita, Ariana deixou de lado as tradicionais dicas de beleza para denunciar o racismo contra pessoas como ela entre os japoneses.

Notícias como essas representam apenas algumas braçadas contra a forte corrente conservadora atual, mas seu vigor e coragem nos ajudam e incentivam a continuar nadando.

Leia também: Entre a imaturidade inconsequente e a intolerância senil


Nenhum comentário:

Postar um comentário