sexta-feira, 15 de maio de 2015

O racismo e seu avesso definitivo

Em 13/05, Flávia Oliveira publicou “Atestado de africanidade” no Globo, revelando sua condição de descendente “do povo balanta, da Guiné-Bissau, país da África Ocidental”.

Ela aproveitou para lembrar que conhecer a própria ancestralidade é outro dos direitos negado à grande maioria do povo negro. Diferente daqueles cuja origem europeia está bem documentada e é lembrada orgulhosamente, da “africanidade, emerge o silêncio constrangedor”, diz a jornalista.

Um silêncio que inclui a própria identificação familiar da maioria dos escravos brasileiros. Muitos deles ou nem tinha sobrenome ou recebia o de seus proprietários. Estes eram praticamente todos portugueses e batizavam seus cativos com “Silva”, “Carvalho”, “Oliveira”...

Mas o silêncio também cerca aqueles de origem africana que já deveriam ter saído do anonimato há muito tempo. Trata-se dos inúmeros intelectuais negros completamente ignorados pela academia.

É o que mostra Mariana Tokarnia no artigo “Intelectuais negros estão fora da bibliografia, criticam especialistas”, publicado na Agência Brasil. O texto lembra nomes esquecidos como Abdias Nascimento, Clóvis Moura, Lélia Gonzalez, Beatriz Nascimento, Jurema Werneck e Sueli Carneiro.

O avesso do anonimato ancestral do povo preto é a interdição da notoriedade para seus filhos mais brilhantes. E como não faltam avessos no racismo brasileiro, há também a inversão em que vidas negras tornam-se estatísticas da violência urbana.

O Mapa da Violência 2015 conclui que o Estatuto do Desarmamento teria salvado 160 mil vidas desde sua implantação. Mas o número de pessoas negras mortas por arma de fogo aumentou 14,1% entre 2003 e 2012, enquanto o de vítimas brancas caiu 23%.

E chegamos ao mais definitivo e universal dos avessos do racismo. O da morte.

Leia também:
Abolição: a liberdade como castigo

2 comentários:

  1. Ops! Pílulas Diárias de cara nova. Ficou bacana. Contundente esta crítica ao "esquecimento" da ancestralidade negra. As Pílulas estão cavocando fundo.

    ResponderExcluir
  2. Legal que cê tenha gostado, Marião. Vamos cavocando, apesar de nem sempre ser agradável.
    Bejo

    ResponderExcluir