quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Chorando o leite derramado da Nestlé

O governo anuncia que pretende restringir a presença do capital internacional na exploração dos recursos naturais brasileiros. Parece que a medida foi provocada principalmente pela gula chinesa. A China liderou o investimento estrangeiro direto no Brasil em 2010. Trouxe pra cá US$ 17 bilhões. Quase um terço do total. Boa parte disso foi usada no setor de mineração. US$ 7 bilhões, na compra de 40% do capital da petrolífera Repsol.

O fato é que nunca entrou tanto dinheiro estrangeiro no Brasil como nos últimos anos. E nunca houve tantas fusões e aquisições. Números comemorados por especialistas, empresários, governos e pela mídia comercial. Então, é melhor desconfiar.

O economista Adriano Benayon publicou três artigos sobre desnacionalização da economia na revista “A Nova Democracia”, entre novembro de 2010 a janeiro de 2011. Segundo, Benayon, “Em todos os setores da economia, as transnacionais vêm ampliando e aprofundando seus domínios”. Alguns dados sobre os investimentos estrangeiros:
Em 2001, 59,6% de seus investimentos foram no setor de serviços, 33% na indústria, e 7,1% em agropecuária e mineração. Em 2008, esses percentuais passaram a 38%, 32% e 30%.
A verdade é que o capital estrangeiro está no controle da economia nacional há bastante tempo. Ainda segundo Benayon:
75%, do capital total das grandes e médias empresas em atividade no Brasil [estão] sob controle de subsidiárias, registradas no Brasil, de transnacionais com matrizes sediadas no exterior, ou diretamente por empresas estrangeiras.
Ao mesmo tempo, o economista diz que “gigantes nacionais”, como a Petrobras e a Vale, têm a maior parte dos lucros abocanhada por acionistas estrangeiros. Considerando-se esse tipo de participação, aqueles 75% de controle internacional subiriam para uns 90%.

Detalhe: a Repsol, invadida pelos chineses, é espanhola. Então, falar em defender a indústria nacional é como chorar um leite que foi derramado há muito tempo. Aquele cuja produção está sob controle da Nestlé, Parmalat, Fleischmann-Royal, Cirio e Danone.

Melhor admitir que a idéia é proteger os capitalistas transnacionais que já exploram nossos recursos naturais contra seus concorrentes asiáticos.

Leia também: Limitação mais que limitada

Um comentário:

  1. http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=11438&Itemid=0&thanks=13

    ResponderExcluir