quinta-feira, 8 de março de 2012

1917: operárias russas atropelam bolcheviques

Ao contrário da versão oficial, o Dia Internacional das Mulheres não nasceu nos Estados Unidos em 1911. Nesta data, centenas de operárias de uma tecelagem nova-iorquina teriam morrido em um incêndio. Na verdade, o 8 de março já era Dia das Mulheres antes disso. E a data deveria ser lembrada por outro motivo.

Era 23 de fevereiro pelo calendário russo. No calendário ocidental, correspondia a 8 de março. O ano, 1917. Em "A História da Revolução Russa", Leon Trotsky explica:
Nenhuma organização planejava alguma greve para aquele dia. (...) Mas, contra todas as orientações, as operárias têxteis abandonaram o trabalho em várias fábricas e enviaram delegadas aos metalúrgicos para pedir-lhes que apoiassem a greve.

Foi a contragosto, que os bolcheviques, seguidos pelos operários mencheviques e pelos socialistas de esquerda se juntaram à marcha. Na véspera, ninguém teria imaginado que este Dia das Mulheres pudesse ter inaugurado a revolução.
A mais importante lição deste episódio foi a atitude das operárias russas. Elas decidiram manter sua decisão contra a vontade dos marmanjos das direções operárias. À frente deles, os bolcheviques. Mas estes fizeram o correto. Engoliram seu orgulho machista e as seguiram.

Somente assim as revoluções podem ser vitoriosas. Atropelando os preconceitos usados pela ideologia dominante para dividir os trabalhadores entre explorados e humilhados.

Mas, então, por que esse momento tão importante da luta das mulheres ficou esquecido? Para saber a resposta clique aqui e leia “O Dia da Mulher nasceu das mulheres socialistas”, de Vito Giannotti.

Leia também:
A dupla jornada do feminismo
“Então, não sou uma mulher?”

Nenhum comentário:

Postar um comentário