quinta-feira, 23 de maio de 2013

Crise capitalista: jogo de cartas marcadas

Luiz Carlos Mendonça de Barros publicou artigo arriscado no Valor, em 20/05. Um dos principais responsáveis pelas privatarias tucanas, o ex-ministro das comunicações afirma no título: “Crise global em seus últimos capítulos”.

As razões para tanto otimismo? Seriam dois eventos, segundo ele. Primeiro, a redução do déficit público nos Estados Unidos de 6% para 4% do PIB, no primeiro trimestre deste ano. Segundo, a leve reação da economia japonesa, que teve ligeiro crescimento do PIB depois de duas décadas empatada no zero.

Ele também conta com a manutenção do crescimento chinês mais ou menos no mesmo ritmo atual. Mas não cita a recessão que já toma conta de nove dos 17 países da Zona do Euro. Os que cresceram, ficaram pouco acima do zero. O resultado é uma taxa de desemprego acima dos 12% da população na região, em média.

Na mesma edição, o artigo “Retomada industrial nos EUA", de Marcello Averbug, apresenta uma visão diferente sobre a reação americana. Admite um certo crescimento industrial no país, mas adverte que isso não contribui para amenizar “o agravamento da iniquidade social” ou garantir taxas elevadas de crescimento do PIB. Portanto, não é suficiente para impedir novas “ondas recessivas”.

De que lado estaria a razão? Difícil saber, mas uma coisa é certa. Seja no cenário mais otimista, seja no pessimista, as consequências já são trágicas para a grande maioria das populações afetadas.

Em seu texto, Mendonça de Barros avisa: “não apostem contra o capitalismo”. Ele sabe do que está falando. As cartas, o dados, as roletas estão viciados desde o início do jogo, há uns 200 anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário