domingo, 15 de junho de 2014

Na arquibancada, usando luvas e casaca

Em junho de 98, Chico Buarque publicou na imprensa o artigo “O moleque e a bola”, junto com Eduardo Coelho. Um trecho diz:

No Rio, em São Paulo, em Buenos Aires, os ingleses detinham, além de todas as bolas, o monopólio das chuteiras, das camisas listradas e dos campos de grama inglesa, como manda a regra, perfeitamente planos e horizontais (...). Em 1895, segundo a crônica paulistana, confrontavam-se Railway Team e Gas Team, “quando huma pellota imprensada entre dous athletas subiu aos céos e foi cahir às mãos de hum assistente. D'improviso, o cidadão seqüestrou a pellota. Metteu-a sob o braço e escafedeu-se no matagal, perseguido por dezenas de crioulos. Foi alcançado ao cabo de meia hora, às margens do rio Ypiranga. E celebrou-se alli, em terreno pedroso e cascalhudo, o primeiro jogo de bola entre brasileiros, com cincoenta actuantes e nenhum goalkeeper”.

Chico Buarque também é torcedor do Fluminense. E, em suas origens, só a elite jogava no time das Laranjeiras. O público que o acompanhava era formado por homens de casaca e chapéu e mulheres de vestido longo e luvas. No auge da empolgação e do calor, eles tiravam os chapéus e elas, as luvas, que passavam a ser torcidos por mãos nervosas. Nasciam os torcedores.

Com as caríssimas “arenas de futebol” recém-inauguradas, a elite volta às arquibancadas, mesmo sem luvas e casacas. À maioria pobre, resta esperar do lado de fora que a pelota lhes volte a cair do céu. Ainda que restem poucos terrenos, cascalhudos ou não. Quase todos da elite, caninamente guardados por governantes, juízes e policiais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário