quarta-feira, 2 de julho de 2014

Entre as poucas certezas, o aumento da polarização social

“No Brasil, queda na desigualdade não tira renda do 1% mais rico”, afirma Denise Neumann em reportagem publicada no Valor em 26/06. Citando dados dos censos de 2000 e 2010, ela diz que o 1% mais rico do país continua a deter os mesmos 17% da renda nacional do início desse período.

No mesmo jornal, Marcelo Neri publicou o artigo o “Brasil continua com o crescimento inclusivo”, em 26/05. Com base em números da Pesquisa Mensal de Emprego, garante que “há surpreendente sustentabilidade” nesse processo. Ele é ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos.

Em “Desigualdade e 'enrolation'”, publicado na Folha de 29/06, Clóvis Rossi afirma que Neri não apresenta dados sobre os ganhos dos mais ricos. Limita-se aos rendimentos do trabalho. Lembra que os 40 milhões de beneficiários do Bolsa Família ficam com 0,5% do PIB anual. Os poucos milhões que ganham com os altos juros financeiros ficam com, no mínimo, quatro vezes mais.

O petista André Singer deu sua opinião na Folha, em 28/06. Para ele, enquanto cresceu o número de bilionários, “a renda dos 10% mais pobres aumentou 106% entre 2003 e 2012". O prejuízo teria sobrado para a classe média tradicional, único setor a perder renda.

O também petista Márcio Pochmann acaba de lançar “O mito da grande classe média”. O livro combate a tese de que surgiu uma nova classe média no País. Admite a redução do número de miseráveis, mas indica aumento na disparidade entre uns poucos muito ricos e a grande maioria pobre.

A polarização social parece inegável. Os conflitos decorrentes dela, também. Desde junho de 2013, sabemos disso.

Obs.: esta é a milésima pílula.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Mil é um número bastante simbólico. Mas as Pílulas não se destacam pela quantidade. Se destacam pela relevância dos temas, da coragem ao abordá-los e pela grandeza em defender os que têm muito poucos falando por eles.
    Abraços, Romilson.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Romilson. Muito obrigado pelas belas palavras.

      Grande Abraço!

      Excluir