sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O azul e o rubro

A cor azul ficou muito tempo desconhecida dos povos antigos. É o que descobriu o linguista Guy Deutscher, ao notar sua ausência em textos sagrados gregos, hindus, islandeses, judaicos ou islâmicos, apesar da descrição do céu ser muito frequente neles.

Deutscher explica que trata-se de uma cor rara na natureza. Além disso, jamais foi prioridade “dar um nome para a cor do céu. Não se trata de um objeto”. O mesmo serviria para o mar.

A necessidade de nomear o azul teria surgido com sociedades tecnologicamente mais avançadas. A maior capacidade de manipular as cores levou a uma terminologia mais refinada.

A questão parece simplória, mas não é. Afinal, se até as cores têm história, o que dizer das relações humanas? Não é verdade, por exemplo, que fenômenos como família, infância, sexualidade, casamento sempre existiram tal como existem hoje.

De fato, as próprias ciências exatas e naturais andam se complicando. A física quântica diz que é impossível realizar previsões com a antiga certeza matemática. A biologia já nem sabe dizer o que é um gene.

Por que, então, alguns cientistas, sacerdotes, ideólogos, líderes afirmam que nossa vida social foi, é e sempre será a mesma? Que, por exemplo, sempre houve e haverá ricos e pobres?

Só há pobres ou ricos onde a minoria explora a maioria. E se esta tem sido a regra desde o surgimento de civilizações como a egípcia e a grega, ela corresponde a uma etapa que representa apenas uns 10% da história humana.

Portanto, mudar é possível e necessário. Por isso, digamos como Brecht: “dos meses, outubro. Das cores, o rubro”.

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160221_civilizacoes_antigas_cor_azul_rb

3 comentários:

  1. Bonito texto, viajou legal. Fiquei com algumas dúvidas, mas por ser pílulas sei que fica difícil explicar detalhadamente.

    ResponderExcluir
  2. Bonito texto, viajou legal. Fiquei com algumas dúvidas, mas por ser pílulas sei que fica difícil explicar detalhadamente.

    ResponderExcluir
  3. Coloquei o link da matéria original, agora pouco. Talvez, ajude em suas dúvidas. Valeu!

    ResponderExcluir