segunda-feira, 14 de maio de 2012

Igrejas e empresários: diabólica aliança

“Parceria CNI-igrejas derruba votação para tributar fortunas” diz reportagem de Evandro Éboli publicada pelo Globo, em 09/05. A matéria refere-se a parceria entre a entidade que representa grandes empresários e parlamentares católicos e evangélicos. Seu objetivo? Impedir a aprovação de uma contribuição sobre grandes fortunas pelo Congresso Nacional.

A reportagem explica que a nova contribuição geraria recursos que seriam destinados exclusivamente para a saúde. O interesse dos religiosos seria evitar a chegada desses recursos para outro projeto, que tramita há anos no Congresso e que cria direitos previdenciários para dependentes de homossexuais.

Já a CNI pretende impedir a taxação das fortunas de seus associados, obviamente. Éboli explica que a proposta cria nove faixas de contribuição. A primeira atinge patrimônios acima de R$ 4 milhões e a última atinge os que ultrapassam R$ 115 milhões.

O que mais espanta é o minúsculo número dos que seriam atingidos: 38 mil pessoas. Ainda segundo a matéria, o novo tributo renderia “R$ 14 bilhões a mais para a saúde por ano”. Mas desse total, R$ 10 bilhões viriam de apenas 600 pessoas.

Opor-se à taxação de milionários em nome do bloqueio à cobertura previdenciária para homossexuais. Eis aí uma causa nada nobre a unir as cúpulas católica e evangélica ao grande capital. Por outro lado, entre os patrimônios ameaçados podem estar os de muitas instituições religiosas.
 

Difícil imaginar pacto mais carregado de pecados. Talvez, ajude a explicar a secular injustiça social que atinge um país que se orgulha de ter Deus como conterrâneo.

3 comentários:

  1. Parabéns pelos dois anos. Porém, sinto que não estou de alta e preciso de maia alguns anos de "terapia", rsrs.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog Sérgio! 2 anos! É muita disciplina mesmo... uma pílula por dia...
    Só uma pequena observação, que vai parecer até provocação, e na verdade é... primeiro rosa e agora roxo?!?!
    Mas falando do post... sinceramente não acho que nossas igrejas estejam realmente preocupadas com a cobertura previdenciária para homossexuais e sim com a fortuna de alguns que fazem parte dela!
    Abs.

    ResponderExcluir
  3. Roxo, não. Lilás, querido.
    Mas é isso mesmo. O lance dos homossexuais pode ser uma desculpa nada decente, aliás.
    Bração e obrigado!

    ResponderExcluir