sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Somos todos mascarados... e pedófilos?

Em 04/08, foram presos cinco integrantes do Black Bloc carioca. Trata-se de um grupo que ficou conhecido por quebrar fachadas de multinacionais e bancos e defender o direito à autodefesa popular diante dos ataques policiais.

Em de seus manifestos, o grupo afirma que sua “luta é contra as grandes corporações, instituições e organizações opressoras e em defesa de suas vítimas - de forma ativa”. O mesmo manifesto afirma reconhecer “o pequeno empresário como vítima do sistema” e repudia “atos que visam prejudicá-lo”.

Claro que é muito duvidoso que a linha de atuação escolhida pelos Black seja a melhor. O uso de máscaras se justifica diante da ofensiva covarde das forças de repressão. Mas facilita a ação de provocadores ou simples baderneiros em nome do movimento.

Além disso, em uma sociedade que coloca a riqueza patrimonial acima de tudo, seja qual for o objetivo de suas ações, serão sempre consideradas criminosas. E é isso o que está acontecendo neste momento.

Um projeto está em discussão na Assembleia Legislativa fluminense proibindo o uso de máscaras nas manifestações. E um dos BBs detidos foi acusado de pedofilia. Uma acusação que é, no mínimo, estranha.

Não há crime mais repulsivo que o abuso sexual de crianças. É tudo o que os perseguidores dos BBs precisam para justificar sua condenação sumária. Para desprezar totalmente as motivações políticas das ações do grupo.

Tudo indica que esse processo de criminalização apenas se inicia pelo Black Bloc. Se não houver resistência hoje, muitos de nós podem ser acusados de pedofilia, amanhã. Todos de máscara no 7 de setembro!

Leia também: Gramsci e a orquestra desafinada das ruas

Nenhum comentário:

Postar um comentário