terça-feira, 8 de outubro de 2013

Velhas músicas para novos protestos

Época estranha, a nossa. Não estamos sob uma ditadura política, mas certas canções da época em que os generais mandavam parecem ter se atualizado.

É o caso “Plataforma”, samba de João Bosco e Aldir Blanc, de 1977:

Não põe corda no meu bloco, / não vem com teu carro-chefe, / não dá ordem ao pessoal. / não traz lema nem divisa / que a gente não precisa / que organizem nosso carnaval. / não sou candidato a nada, / meu negócio é madrugada / mas meu coração não se conforma. / o meu peito é do contra / e por isso mete bronca / nesse samba-plataforma: / por um bloco que derrube esse coreto / (...) que sacuda e arrebente / o cordão de isolamento.

Tudo a ver com a rebeldia que está nas ruas.

Outra música que merece nova escuta é “Acorda Amor”, que Chico Buarque lançou sob o pseudônimo de Julinho de Adelaide em 1974:

Acorda amor / Eu tive um pesadelo agora / Sonhei que tinha gente lá fora / Batendo no portão, que aflição / Era a dura, numa muito escura viatura / Minha nossa santa criatura / Chame, chame, chame lá / Chame, chame o ladrão, chame o ladrão.

A letra ironizava a triste situação da época. Diante da chegada da polícia da ditadura, era mais seguro chamar o ladrão.

A música ficou no passado, mas a violência oficial que ela denunciou continua presente. Em manifestações, nas favelas e bairros pobres continua sendo preferível chamar os ladrões. Pelo menos aqueles que não estiverem ocupados governando, legislando e financiando políticos profissionais.

2 comentários:

  1. Não precisa ser gênio para concluir que elas são atuais porque a situação estruturalmente não mudou.
    Tomara algum dia sejam ouvidas como lembrança de uma época que superamos para nunca mais voltar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que as musas dos poetas os privem desse tipo de inspiração, então!
      Abraço!

      Excluir