segunda-feira, 28 de março de 2016

Sobre planilhas e trabalho duro

“Planilhas da Odebrecht citam valores ligados a 316 políticos de 24 partidos”. Esta manchete da Folha resume o conteúdo das capas dos outros jornais de 24/03.

Na matéria assinada por meia dúzia de repórteres, aparecem as seguintes informações:

A lista inclui governistas e oposicionistas, muitos deles “integrantes da tropa de choque do impeachment”.

Os repasses foram feitos pela empreiteira nas campanhas eleitorais de 2012 e 2014.

Na relação, nomes de ministros, senadores, deputados e vereadores, além de “caciques” partidários, inclusive da oposição.

Aécio Neves é mencionado, assim como José Serra e Alckmin. Do PMDB, Eduardo Cunha, José Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá. Entre os prefeitos Fernando Haddad, Eduardo Paes e ACM Neto.

Ao contrário do que fez há uma semana, ao divulgar os grampos telefônicos que agitaram o País, o juiz Sergio Moro decretou o sigilo das planilhas.

Moro também se mostrou menos apressado quanto a condenar suspeitos. Considerou prematuras conclusões sobre a “natureza desses pagamentos”, já que a Odebrecht “realizou, notoriamente, diversas doações eleitorais registradas nos últimos anos".

Jornais e autoridades judiciais dizem que os valores discriminados podem se referir a doação legal, caixa dois ou propina. Obviamente, os “planilhados” aceitam apenas a primeira possibilidade.

Difícil saber o que acontecerá daqui para diante. Mas é grande a probabilidade de que as planilhas sejam consideradas apenas patrocínio eleitoral previsto na legislação.

Esta seria a melhor saída para os envolvidos, mas a pior para a grande maioria da população, que vive do suor de seu trabalho e não da corrupção legalizada que coloca governos e parlamentos a serviço do grande capital.

Um comentário:

  1. O problema dessa turma da roubalheira, corrupção e falcatruas, é que eles nunca esperavam que iria atravessar no caminho deles outro Joaquim Barbosa na pessoa do juiz Sérgio Moro. Uma coisa eles podem ficar certos, que as investigações da Lava Jato, vão se aprofundar e muitas coisas erradas virão à tona tanto no meio político, empresarial e no funcionalismo público. Agora não será fácil para o juiz Sérgio Moro colocar esses bandidos de colarinhos branco na cadeia como não foi fácil para o ex-ministro Joaquim Barbosa, colocar os bandidos de colarinho branco do Mensalão na cadeia, a coisa foi tão complicada que o ex-ministro teve de travar uma tremenda batalha dentro do STF, mas ele saiu vitorioso, simplesmente porque o povo estava com ele, como agora está com o juiz Sérgio Moro. Só para ter uma ideia da complicação, a turma de choque do PT no Congresso Nacional, já está apresentando projetos para acabar com as investigações da Lava Jato.

    ResponderExcluir