quarta-feira, 6 de junho de 2012

Rio+20: erva daninha é sustentável?

Uma das definições do dicionário Aulete para ervas daninhas: “plantas que causam estragos a plantações”. Mas não haveria plantações que causam estragos à natureza? Mais que isso, técnicas de plantio que são daninhas à própria espécie humana?

O uso de agrotóxicos é uma delas. São criados para matar ervas daninhas, por exemplo, mas provocam câncer nos trabalhadores que lidam com eles. E causam diversas doenças nos consumidores de produtos expostos a sua ação.

Ervas daninhas são apenas plantas que não se encaixam em nosso sistema produtivo. É um conceito tão antropocêntrico como a ideia de desenvolvimento sustentável. É o que explica Leonardo Boff no artigo “Economia verde versus economia solidária”:

A Rio-92 consagrou o conceito antropocêntrico e reducionista de desenvolvimento sustentável, elaborado pelo relatório Brundland de 1987 da ONU. Ele se transformou num dogma professado pelos documentos oficiais, pelos Estados e empresas sem nunca ser submetido a uma crítica séria. Ele sequestrou a sustentabilidade só para seu campo e assim distorceu as relações para com a natureza. Os desastres que causava nela, eram vistos como externalidades que não cabia considerar. Ocorre que estas se tornaram ameaçadoras, capazes de destruir as bases físico-químicas que sustentam a vida humana e grande parte da biosfera. Isso não é superado pela economia verde. Ela configura uma armadilha dos países ricos, especialmente da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) que produziu o texto teórico do PNUMA Iniciativa da Economia Verde. Com isso, astutamente descartam a discussão sobre a sustentabilidade, a injustiça social e ecológica, o aquecimento global, o modelo econômico falido e mudança de olhar sobre o planeta que possa projetar um real futuro para a humanidade e para a Terra.

Na Rio+20, desenvolvimento sustentável ganhou o nome de “economia verde”. Seus objetivos continuam a ser os mais daninhos.

Leia também: Rio+20: fiasco ou sucesso? Depende

Nenhum comentário:

Postar um comentário