quinta-feira, 7 de julho de 2016

As raízes negras de nossas lutas operárias

A esquerda costuma dizer que a primeira greve do País foi feita pelos tipógrafos, em 1858, no Rio de Janeiro. Mas um ano antes, na mesma cidade, trabalhadores escravizados de uma fábrica do Visconde de Mauá já haviam cruzado os braços.

É o que revela o artigo “As greves antes da ‘grève’: as paralisações do trabalho feitas por escravos no século XIX”, de Antonio Luigi Negro e Flávio dos Santos Gomes.

O texto mostra o que já deveria ser óbvio: o “mito do imigrante radical (...) impede que o trabalhador local (a começar pelo escravo) apareça como protagonista das lutas operárias”.

Afinal, 45% dos operários das manufaturas do Rio de Janeiro entre 1840 a 1850 eram escravos. Especialmente, em fábricas de vidro, papel, sabão, couros, chapéus e têxteis.

No final da década de 1820, cativos, negros livres e outros trabalhadores pararam uma fábrica de pólvora, também no Rio. E, em abril de 1833, outro levante em terras cariocas fez escravos de uma caldeiraria enfrentarem a polícia, ocorrendo “tiros e mortes”.

Em 1857, uma paralisação promovida por carregadores afrodescendentes paralisou o porto e o setor de abastecimento e transporte de Salvador por duas semanas.

Naquela época, tais paralisações eram chamadas de “parede”. A denominação “greve”, de origem francesa, deve ter se popularizado com a maior participação dos imigrantes nas lutas. Não se pode descartar, porém, a colaboração de uma historiografia europeizada.

Mas, como pretende o artigo, o importante é resgatar a importância dos milhões de explorados africanos, índios, “brasileiros” e imigrantes na “invenção da liberdade” num mundo que jamais deixou de ser “marcado pela escravidão”.

Leia também: O racismo da inteligência brasileira

Nenhum comentário:

Postar um comentário