domingo, 24 de julho de 2016

Vito Giannotti contra a ditadura do capital

Um ano atrás, a causa socialista perdia Vito Giannotti. O Núcleo Piratininga de Comunicação, fundado por ele e Claudia Santiago, fez uma homenagem em 21/07. Entre as atividades, uma palestra de Reginaldo Moraes, um de seus mais antigos companheiros de luta.

“Régis” lembrou os duros tempos em que ele e Vito foram obrigados a militar clandestinamente. Sob a ditadura empresarial-militar de 1964, fazer política de esquerda era risco de morte ou tortura.

Apesar disso, Vito estava entre os que achavam que só o trabalho de base e a luta de massas poderiam apontar alguma saída.

O jovem italiano que chegou ao Brasil em plena ditadura escolheu ir para as fábricas metalúrgicas. Não apenas para ensinar e pregar a resistência.

Seus colegas de trabalho eram quase todos de origem pobre, pouco letrados e nada sabiam sobre as lutas históricas dos trabalhadores do mundo. Mesmo assim, Vito compreendia que eram eles seus melhores professores na construção da resistência.

Vito foi preso e torturado, sem jamais desistir da luta democrática e da defesa do socialismo. Acima de tudo, sem deixar de apostar num processo revolucionário construído de baixo para cima. 

A ditadura política foi derrotada graças a guerreiros como Vito. Mas ele sabia que a ditadura econômica continuava firme. Por isso, jamais deixou de lutar e nunca abandonou o trabalho de base, a disputa de hegemonia e o respeito à voz de explorados e oprimidos.

Infelizmente, não é o que faz grande parte da esquerda, encastelada em seus aparelhos e estruturas, rendida ao senso comum e de costas para as ruas.

Vito faz mais falta do que nunca.

Leia também: Vito Giannotti e a história da luta dos trabalhadores

Nenhum comentário:

Postar um comentário