segunda-feira, 18 de julho de 2016

Olimpíadas e classes perigosas

Em 15/07, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, declarou à imprensa que o governo federal criou um cadastro para a Olimpíada do Rio com 500 mil suspeitos de terrorismo.

Em 1888, um parlamentar da Câmara Federal de Deputados fez a seguinte afirmação:

As classes pobres e viciosas sempre foram e hão de ser sempre a mais abundante casa de toda sorte de malfeitorias: são elas que se designam mais propriamente sob o título de “classes perigosas”; pois quando mesmo o vício não é acompanhado pelo crime, só o fato de aliar-se à pobreza no mesmo indivíduo constitui um justo motivo de terror para a sociedade.

O conceito de classes perigosas apareceu em 1857, em um livro do psiquiatra austríaco Benedict-Augustin Morel chamado “Teoria da Degenerescência”. Os “degenerados” em questão seriam aqueles que não possuem:

...nem a inteligência do dever, nem o sentimento da moralidade dos atos, e cujo espírito não é suscetível de ser esclarecido ou mesmo consolado por qualquer ideia de ordem religiosa.

Por “ordem religiosa” entenda-se apenas a cristã.

O cadastro anunciado por Jungmann é secreto, mas é muito provável que tenha sido montado segundo critérios muito parecidos aos defendidos por Morel e pelo deputado do século 19.

Basta ter origem social, cor, nacionalidade e religião consideradas “perigosas” para ser forte candidato a fazer parte dos 500 mil possíveis terroristas monitorados pelo governo federal.

Nada mais compatível com o que disse uma vez Pierre de Coubertin, fundador dos jogos olímpicos modernos:

As raças são de valor diferente e a raça branca, sendo de essência superior, todas as outras lhe devem vassalagem.

Leia também: O combate ao terrorismo como pretexto

2 comentários:

  1. Coisa linda que não sabia. Quer dizer que o fundador do espírito dos jogos olímpicos tão decantado pensava assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois, é. E era machista também. Tem uma outra pílula que fala sobre o cara: http://pilulas-diarias.blogspot.com.br/2012/07/olimpiadas-e-machismo.html
      Abração

      Excluir