quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Reformas fazem parte do caminho que o reformismo bloqueia

Prosseguindo a leitura do livro “Capitalismo e Social Democracia”, de Adam Przeworski, é importante trazer a contribuição de Rosa Luxemburgo.

Afinal, a grande revolucionária alemã foi duplamente pioneira ao tratar da dualidade reforma ou revolução que dá nome a seu mais famoso livro.

Por um lado, foi a primeira a denunciar os riscos do reformismo no interior do movimento socialista.

Por outro, Rosa apressou-se a advertir que opor reformas e revolução é uma das formas mais eficazes de abandonar a segunda para ficar apenas com as primeiras.

Tratava-se, dizia ela, de estabelecer uma relação dialética entre esses dois elementos, sem a qual a destruição do capitalismo permaneceria um objetivo distante e utópico.

São as reformas que colocam grandes parcelas do explorados e oprimidos em movimento, afirmava a autora. Mas é preciso mostrar que o reformismo não é apenas um caminho mais longo em direção a uma sociedade justa. Ele implica o próprio abandono desse caminho, concluiu.

Przeworski confirma essa avaliação quando diz que:

...o reformismo sempre foi justificado pela crença de que reformas são cumulativas, que constituem passos que levam em alguma direção. A atual política de socialdemocratas pela sua própria lógica não permite a acumulação de reformas.  

Em plena reversão das tímidas conquistas do período petista no Brasil, fica difícil discordar. Mas isso já aconteceu em outros momentos e em outros países. Por que, então, o caminho reformista segue resistente?

Parte da resposta a essa questão está relacionada ao “keynesianismo”. Segundo Przeworski, esta teoria econômica foi fundamental para a consolidação do reformismo na Europa. Este o tema da próxima pílula desta série.

Leia também: Ainda sobre a persistência do reformismo

2 comentários:

  1. Sergio, boa a serie. Eu acho que tanto no PT, como em outros partidos sociaisdemocratras europeus, não tem tensão, não tem dialética, não tem relação mais alguma entre reforma e revolução. É simplesmente o abandono da revolução em favor de só reformas. Aliás, não conheço nenhuma revolução que foi resultado do acúmulo de reformas. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Marião.

      Bom, na verdade, acho que revoluções quase sempre resultam de conquista de reformas, ou seja, de vitórias que aumentam a confiança da classe para um passo mais decisivo, mas isso tem que acontecer pela luta, não por maiorias parlamentares ou conquistas de governo por via eleitoral.

      Bração!

      Excluir