quarta-feira, 25 de outubro de 2017

A ditadura do mito do socialismo ditador

Em tempos de comemoração do centenário da Revolução Russa, é importante combater a ideia de que, para os marxistas, socialismo seria sinônimo de ditadura. O mesmo que trocar emprego, saúde, educação, por partido único, censura, pouca liberdade, sindicatos controlados pelo Estado. Uma concepção que interessa aos conservadores difundir, mas que também é adotada por setores de esquerda.

É verdade que Marx, Engels e Lênin falavam em “ditadura do proletariado”. Mas nenhum deles usou este conceito com o significado de regime autoritário. Os três revolucionários utilizavam o conceito de ditadura referindo-se à dominação burguesa em geral. Não se referiam a formas de governo, mas a seu conteúdo de classe. Deste ponto de vista, o parlamentarismo inglês, o presidencialismo estadunidense ou uma ditadura latino-americana são equivalentes. Todas são formas de dominação burguesa.

Ou seja, ditadura do proletariado é sobre quem dever dominar. No caso, os trabalhadores. Não diz respeito às formas como os trabalhadores devem dominar. Em relação a isso, Marx e Engels sempre deram poucas indicações. Consideravam muito difícil antecipar como seria um futuro Estado dos trabalhadores.

Mas quando perguntados sobre o que entendiam por ditadura do proletariado, Marx e Engels respondiam: ”Olhem para a Comuna de Paris”.

E o que era a Comuna de Paris? Uma república democrática. Não uma república democrática burguesa, mas um regime democrático em que a classe dominante seria a classe trabalhadora. E foi esta ideia geral que Lênin também adotou em seu livro “O Estado e a Revolução”.

Então, como foi que chegamos à atual confusão? É o que procura abordar um texto que você pode ler, clicando aqui.

Leia também: O que fazer com “O que fazer?” de Lênin?

Nenhum comentário:

Postar um comentário