terça-feira, 17 de outubro de 2017

O que fazer com “O que fazer?” de Lênin?

No final de “Outubro: história da Revolução Russa”, China Miéville refere-se ao romance “O que fazer?”, do escritor russo Nikolai Tchernyshevsky. “Este livro estranho, diz ele, “lança uma longa sombra”.

Foi do livro de Tchernyshevsky que Lênin emprestou o título para sua obra mais famosa sobre concepção de partido. Mas quando a Revolução de 1917 foi vitoriosa, “O que fazer?” já tinha 15 anos. E até seu autor o considerava ultrapassado.

É o que se nota, por exemplo, na coletânea "Doze Anos", publicada por Lênin em 1906. Num dos textos, ele procura responder aos críticos de seu famoso livro, afirmando: 

O erro principal dos que hoje polemizam com o “Que Fazer?” consiste em desligar por completo esta obra de uma situação histórica determinada, de um período histórico concreto do desenvolvimento de nosso partido que passou há muito tempo.

De fato, é difícil reconhecer no partido que liderou a tomada do poder pelos sovietes a concepção organizacional defendida por Lênin em “O que fazer”.

Um ótimo artigo escrito pelo marxista estadunidense Hal Draper procura explicar esse processo. Transformar o livro de Lênin em fórmula sagrada sobre organização partidária interessava tanto à contrarrevolução stalinista como a forças de direita.

Publicado por Draper em 1990, “O mito da ‘Concepção Leninista de Partido’ ou ‘O que fizeram com ‘O que fazer?’”, ainda não tem tradução para o português. Mas um resumo dele pode ser acessado aqui.

A argumentação de Draper pode ajudar a entender porque a “longa sombra” a que se referiu Miéville vem, na verdade, assombrando muitas gerações de socialistas.  

Leia também: O partido de Lênin era pouco “leninista”

Nenhum comentário:

Postar um comentário