segunda-feira, 15 de outubro de 2012

No século 22, os interesses materiais imperam

Caros habitantes do século 21, escrevo diretamente do início do século 22 e tenho péssimas notícias. Aconteceu aquilo que alguns de vocês já temiam. Naquele que é meu presente e seu futuro, toda a vida social gira em torno do valor de troca.

Um jantar em família, um beijo de boa noite, um abraço afetuoso, cada uma dessas manifestações valem pontos que dão direito a créditos para consumo. Casamentos são decididos em leilões, bebês já nascem com suas vidas projetadas em planilhas. As relações sexuais são reguladas por determinações estatísticas.

O mesmo vale para as amizades, que são negociadas como ações nas bolsas de valores. Esferas espirituais, como a religião e a arte, foram quantificadas e compõem derivativos financeiros.

Os defensores desse tipo de relação social alegam que tudo ficou muito mais claro. Esse processo já vinha ocorrendo há alguns séculos, dizem eles. Mas ficava oculto sob camadas de hipocrisia. Agora, ninguém mais esconde que o que realmente importa são os interesses materiais.

O problema é que a mesma doença que atacava as operações financeiras, agora atinge as relações sociais. Conflitos especulativos entram pelas casas adentro. Contaminam o cotidiano, destroem famílias, amizades, lealdades, convicções.

Antes, as crises econômicas jogavam milhões na pobreza, mas laços afetivos e de lealdade serviam como refúgio à crueza quantitativa do capitalismo. Agora, os desequilíbrios econômicos partem do interior mesmo dessas relações. A crise já não atinge a humanidade. Ela é a humanidade. O colapso é inevitável.

A não ser que... Bom, a não ser que vocês mudem a história. Ainda há tempo. Mas não muito...

Leia também: No século 22, a música jorra

Nenhum comentário:

Postar um comentário