quinta-feira, 14 de novembro de 2013

“Bom Senso F.C.” e espírito esportivo

As manifestações chegaram ao futebol. Em todas as partidas de 14/11 do Campeonato Brasileiro, os jogadores organizaram manifestações contra a CBF. Basicamente, eles querem um calendário mais democrático. O zagueiro do Corinthians, Paulo André, é uma das lideranças do movimento. Em entrevista ao canal ESPN Brasil, ele esclareceu:

Nós queremos um aumento do número de jogos para os times pequenos. Eles jogam três, quatro meses. Nós estamos falando de 500 clubes profissionais e mais de 15 mil atletas, que têm uma vida quase de boia fria. E são estes caras que a gente tá defendendo. Não só a elite. Não só os caras que ganham bem.

Se suas reivindicações não forem atendidas, os jogadores podem iniciar uma greve que atrasaria o início do campeonato de 2014.

Os principais alvos do movimento são a CBF e as emissoras de TV. Principalmente, a Globo, que manda no calendário dos jogos. Mas há outros monopólios empresariais movimentando milhões em torno do futebol. Entre estes, os próprios clubes grandes. As enormes somas em dinheiro são destinadas somente a uma pequena minoria de empresas, clubes e jogadores.

Os atletas batizaram seu movimento de “Bom Senso F.C”. Para Gramsci, o senso comum é uma maçaroca de noções confusas e contraditórias usada para justificar a dominação de classe. O “bom senso” resultaria da revelação das racionalidades opressoras por trás dessa confusão. Mas deve ser apenas o ponto de partida para a formação de um novo senso comum, baseado em valores libertários e igualitários. Algo muito próximo do que se costuma chamar de “espírito esportivo”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário