sábado, 24 de junho de 2017

Machado e a borboleta que não era azul

Em 21/06, completaram-se 178 anos do nascimento de Machado de Assis. Giovanni Arceno é escritor e envia diariamente trechos literários valiosos por e-mail. Um deles cita uma passagem do capítulo “Borboleta Preta”, de “Memórias póstumas de Brás Cubas”. Merece bater asas por aqui, também:

— Também por que diabo não era ela azul? disse comigo.
E esta reflexão, — uma das mais profundas que se tem feito, desde a invenção das borboletas, — me consolou do malefício, e me reconciliou comigo mesmo. Deixei-me estar a contemplar o cadáver, com alguma simpatia, confesso. Imaginei que ela saíra do mato, almoçada e feliz. A manhã era linda. Veio por ali fora, modesta e negra, espairecendo as suas borboletices, sob a vasta cúpula de um céu azul, que é sempre azul, para todas as asas. Passa pela minha janela, entra e dá comigo. Suponho que nunca teria visto um homem; não sabia, portanto, o que era o homem; descreveu infinitas voltas em torno do meu corpo, e viu que me movia, que tinha olhos, braços, pernas, um ar divino, uma estatura colossal. Então disse consigo: “Este é provavelmente o inventor das borboletas.” A ideia subjugou-a, aterrou-a; mas o medo, que é também sugestivo, insinuou-lhe que o melhor modo de agradar ao seu criador era beijá-lo na testa, e beijou-me na testa. Quando enxotada por mim, foi pousar na vidraça, viu dali o retrato de meu pai, e não é impossível que descobrisse meia verdade, a saber, que estava ali o pai do inventor das borboletas, e voou a pedir-lhe misericórdia.

Quem quiser receber preciosidades como esta, entre em contato com giovanni@leiabrasileiros.com.br

Leia também:
Até Machado achava escola um saco

Nenhum comentário:

Postar um comentário