segunda-feira, 19 de junho de 2017

O terrorismo que mata pobres e causa inveja

O número de homicídios no País, em três semanas, supera a quantidade de pessoas mortas em todos os ataques terroristas no mundo nos cinco primeiros meses de 2017.

A comparação é de Samira Bueno, diretora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, referindo-se a dados do recém-lançado “Atlas da Violência”.

Samira também observa “que o crescimento econômico e a redução da desigualdade” das últimas décadas não se traduziram em índices melhores. Segundo ela, “crescimento econômico sozinho”, não basta.

O sociólogo Marcos Rolim acaba de publicar “A Formação de Jovens Violentos”. O livro apresenta um estudo feito junto a jovens violentos de 16 a 20 anos da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul.

O levantamento aponta dois grandes fatores para o comportamento desses jovens: a evasão escolar e o "treinamento violento". Ou seja, a convivência com armas e conflitos policiais.

Por fim, na reportagem “Aulas em meio à guerra no Rio”, publicada pelo El País em 18/06, María Martín relata:

Renan, de 13 anos, não consegue enumerar mais de três países sem travar – “Brasil, humm... Argentina, México, ah...” –, mas diz de cabeça nove tipos de armas: “Snipe, AK-47, 7.65, AR-15, Bazuca, calibre .50, calibre 12, Glock, giratória...”. Na classe ao lado, Guilherme, de 14 anos, também é capaz de imitar o som dos tiros: a rajada espaçada do AK-47, o eco seco da pistola e o estrondo de um lança-granadas. “É o que escutamos todos os dias”...

Mas essa realidade vale principalmente para os mais pobres. São eles as maiores vítimas desse nosso terrorismo cotidiano, capaz de causar inveja aos piores fanáticos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário