sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Fruta Estranha

De: Abel Meeropol

As árvores no sul dão um fruto estranho
Têm sangue nas folhas e sangue nas raízes
Corpos negros nadando na brisa do sul,
Frutas estranhas penduradas nos álamos.

Corpos negros balançando à brisa sulista
Frutas estranhas pendem dos choupos
Cenas pastorais do sul galante
Olhos inchados, bocas retorcidas
Doce e fresco aroma de magnólias
E súbito o cheiro de carne queimada

Aí está um fruto para os corvos bicarem
Para a chuva encharcar, para o vento açoitar
Para apodrecer ao sol, para uma árvore deixar cair
Aí está uma estranha e amarga colheita.

O poema acima ficou famoso em 1939, na voz da cantora de jazz Billie Holiday (1915 -1959). Seu nome original é “Strange Fruit” e refere-se a linchamentos de negros no sul dos Estados Unidos. Algo que ainda era comum no final dos anos 1930.

Multidões se reuniam para assistir aos massacres. A maioria deles consistia em enforcar os negros. Às vezes eles eram mutilados e queimados ainda vivos. Seus corpos ficavam pendurados em árvores para que servissem de exemplo. Exemplo do nível de estupidez a que pode chegar a humanidade.

Clique aqui e assista vídeo com a música cantada por Billie Holliday

Nenhum comentário:

Postar um comentário