sexta-feira, 17 de junho de 2011

Por que os comunistas são vermelhos

Pouca gente sabe, ou lembra. Por trás da escolha do vermelho como a cor dos revolucionários há uma história de traição e sangue. É Marx quem melhor conta esta história em seu livro “As lutas de classes na França de 1848 a 1850”.

Na Revolução Francesa de 1789, os trabalhadores franceses se uniram a seus patrões para derrotar a nobreza. Mas, os aristocratas conseguiram retornar ao poder em 1815. Para derrotá-la de vez, a burguesia contou com a mobilização dos operários. Graças às revoltas dos trabalhadores, em fevereiro de 1848, o rei Luis Filipe foi obrigado a renunciar.

A burguesia voltava a ser a absoluta em seu poder na França. Os trabalhadores, então, cobraram sua parte da vitória. Basicamente, queriam salários menos miseráveis, jornadas de trabalho menos massacrantes e mais empregos.

A burguesia se fez de surda. No máximo, fazia promessas vagas. A revolta voltou a explodir entre os operários. Sentiam-se traídos. Em junho, saíram às ruas exigindo seus direitos. Carregavam a bandeira tricolor da revolução de 1789. Foram recebidos a bala.

Depois de cinco dias de batalha entre trabalhadores quase sem armas e três exércitos, milhares ficaram mortos pelas ruas de Paris. As bandeiras tricolores caídas no chão. O branco e o azul tingidos pelo vermelho do sangue operário. Segundo Marx:
Só encharcada no sangue dos revoltosos de Junho, a tricolor se tornou bandeira da revolução européia. A bandeira vermelha!
Ou seja, já não se tratava de uma revolução nacional. Nem de se aliar à burguesia. Esta se mostrou traiçoeira e preocupada apenas com seus interesses.

Desde então, a bandeira dos comunistas é vermelha, sua causa é internacional e sua organização deve ser independente de patrões e governos.

Leia mais em As bandeiras vermelhas nasceram em Paris, em 1848

Leia também: Comuna de Paris: socialista sem querer

4 comentários:

  1. A história nos ensina como a luta dos oprimidos é apenas deles e nunca será plenamente conquistada sem o troco das mais truculentas forças de quem tem o poder. Não existe meio termo para o fim da exploração.

    ResponderExcluir
  2. Bem escrito o texto! Mas não corresponde à História. Desde a Idade Média (mercantilismo), o vermelho trazia um aspecto simbólico muito forte, associado a luta, a sangue, a conquista e ao povo enfim. Tanto que estava na bandeira tricolor da Revolução Francesa representando o povo (a fraternidade) e depois o Reinado Termidoriano, período conhecido como "Terror" devido a maneira radical de combater quem não concordava com a Revolução. Temos que verificar isso bem, irmos à raiz, que é a melhor forma de sermos socialistas marxistas, não? E ora, sabe-se que desde a Revolução Francesa, os Jacobinos usaram a cor vermelha como símbolo, quando passaram da defesa da Constituição para o republicanismo revolucionário. Em 1831 trabalhadores ingleses já a usavam como seu síbolo. Realmente, depois de 1848, e principalemente depois de 1871 - a bandeira vermelha foi ficando mais e mais associada ao Socialismo. Depois da Revolução russa de outubro de 1917, a bandeira vermelha com a foice e martelo, adotada como bandeira oficial do novo governo soviético, passou a ser usada pelo movimento comunista ao redor do mundo e também pelo Partido Comunista da China, país no qual essa cor já estava identificada com o imaginário de sua população. É interessante que em vários estados norte-americanos é proibido (levando à prisão) hastear bandeiras vermelhas. Agora, se nos prendermos nesse trecho de Marx "Só encharcada no sangue dos revoltosos de Junho, a tricolor se tornou bandeira da revolução européia. A bandeira vermelha!" o que podemos ler é que a partir do momento em que a bandeira tricolor se tornou, devido ao sangue dos mortos, totalmente vermelha, ela passou a ser como a bandeira vermelha da "revolução européia" - isto é, Marx deixa claro que esta idéia já existia, a da revolução européia, e já era simbolizada pelo vermelho! Mas que somente após a revolta de junho, aqueles revoltosos (metaforicamente, sob o vermelho da bandeira - mas vermelho porque encharcada de sangue), se vincularam às lutas mais amplas, à idéia de revolução européia... Até então não é que a bandeira vermelha já não existisse e não fosse já um símbolo de sobernaia popular, mas pelo contrário, alí nas revoltas de 1848 ainda não havia sido utilizada, ainda não havia existido a identificação por parte dos revoltosos com esta perspectiva mais ampla de luta, propiciada pelo acirramento do combate, isto é, os eventos que causam o próprio "envermelhamento" da bandeira. Acreditar que é a partir de 1848 que a bandeira vermelha se tornou símbolo do socialismo é jogar fora toda História de luta anterior e já simbolizada pela bandeira vermelha, anterior a este ano de 1848, desde quando os trabalhadores começaram a lutar pelas suas conquistas, a se revoltar contra as hegemonias, e a usar como simbolo o vermelho desde antes deste momento magno das lutas de 1848 (já antes do final do século XVIII).

    ResponderExcluir
  3. Bom, Carlos, talvez, você tenha razão. Mas, entre a "história" e a lenda, esta última é melhor, com a vantagem de ser bastante coerente.
    Valeu pelo comentário. Abraço!

    ResponderExcluir